Traduzir

Pesquisar

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A simplicidade é sábia, bela e gentil

Por: Riselda Morais





A vida é muito mais fácil, mais gostosa de viver quando buscamos a simplicidade. Quando penso a simplicidade,  vejo uma vida que se ocupa em ser só o que é, a essência do simples existir  sem a complexidade da multiplicidade do tudo querer ser e tudo querer ter.
Uma vida simples é uma vida com gentilezas que geram outras gentilezas, simpatia, harmonia, amizades como as simples e pronunciáveis palavras mágicas: Por favor; muito obrigado; desculpe; com licença; bom dia; boa  tarde; boa noite; boa sorte. 
Uma vida simples não desperdiça energia e nem forças e faz com que tudo corra para a realização do momento, do hoje, sem o estresse do  ontem e nem a ansiedade do amanhã, sem a  angústia de não ter o que vai além do essencial. 
Percebemos o quanto a simplicidade é bela, é prática, sábia, gentil, quando  observamos a natureza.
A beleza e a simplicidade caminham juntas, ambas se encontram no jardim, onde não há desarmonia nas cores e nem tristeza nas flores, onde a vida é o que é, em seu momento, respeitando a lógica silenciosa do existir.  Observo a roseira, a orquídea, o lírio, a lágrima de cristo, todas elas só precisam do necessário para cada instante, cumprindo seu destino de germinar, crescer, florir, perder o viço e morrer, cada coisa a seu tempo e para isso só precisam  absorver a água da chuva, o sol e o vento, de onde extraem   tudo que precisam para viver.
A simplicidade é leve e torna leve todo o ambiente no qual habita e só busca o que vale a pena existir ou acontecer. 
Para pessoas simples o menos é mais e o pouco é mais que o suficiente; a gentileza faz parte de sua essência e seu sorriso é verdadeiro, exprime a sinceridade.
Mas como é difícil ser simples hoje em dia, em um mundo  cheio de multiplicidades que estimula o consumismo, onde  tudo é repaginado, renovado diariamente e surge com mais recursos, mais possibilidades, mais tudo. Somos estimulados a queimar etapas de nossas vidas desde criança, não nos compreendemos como somos no instante.  Estamos sempre pensando no que queremos ser, enquanto nos perguntam: - “O que você vai ser quando crescer?“. 
Somos o que somos e por enquanto devemos nos permitir crescer para então decidirmos no momento certo. Estamos sempre desejando algo mais, um carro mais caro, um computador com mais recursos, uma viagem mais longa na qual levamos inúmeras malas. Somos complicados, multiplos, consumistas, completos e pesados. Estamos sempre querendo tudo, sempre querendo mais, nunca estamos satisfeitos com o que conseguimos, por isto, estamos sempre angustiados, ansiosos, estressados a tal ponto que podemos passar por milhares de  flores que não percebemos sua beleza, sua simplicidade, sua capacidade  de cumprir o ritual de sua própria existência. Se nos permitíssimos perceber o simples, ser simples, parar para ver o por do sol, ouvir o cantar do pássaro, observar a beleza da flor, levar uma mochila na viagem ao invés de dezenas de malas, estariamos agradecidos com o que temos, viveríamos melhor o hoje, não queríamos tudo ao mesmo tempo e nos permitiríamos aproveitar melhor o pouco daquele momento. Se conseguíssemos ser realmente simples não faríamos tantos projetos futuros, nos empenharíamos em realizar melhor o projeto de agora, de forma simples, concreta, aplicável e eficaz.
Enquanto acumulamos para o futuro, desejamos ter cada vez mais, nos tornamos multifuncionais na realização de multiplas tarefas complicando nosso próprio existir, perdemos a essência querendo ser o que não somos, deixamos de viver a própria vida, nos tornamos pesados, intolerantes e esquecemo-nos de ser gentis uns com os outros, disputamos espaços, concorremos em tudo e queremos tudo, quando poderíamos ser mais felizes se buscássemos ser simples e gentis, onde o menos é muito mais e onde tudo que é mais é muito menos.  

Pequenas e médias empresas devem focar em publicidade e comunicação das mídias regionais

Por: Riselda Morais


Uma grande empresa necessita de uma comunicação integrada de marketing  feita de forma estratégica e organizacional junto ao mercado posicionando e divulgando os produtos, os serviços, a marca, os benefícios e soluções usando o composto da comunicação que é a publicidade, a propaganda, assessoria de imprensa, promoção de vendas, internet, marketing direto e relações públicas focando o público-alvo, com campanhas desenvolvidas por profissionais das agências e inserida em vários veículos de comunicação ao mesmo tempo, isto tem um preço alto, é um investimento para o qual a empresa tem uma verba específica e sem o qual a empresa ou a marca pode ser devorada pela concorrência.
Mas a publicidade não é coisa só das grandes empresas, as pequenas, médias e microempresas podem e devem divulgar-se. Mas com algumas diferenças na ação. A pequena empresa não deve focar na grande mídia, grandes jornais e televisão, mas na imprensa regional, no jornal de bairro, fazer-se perceber, mostrar que existe, que seu produto, sua marca existe e está a disposição do consumidor, criar uma boa reputação e usar a repetição, ou seja, uma publicidade constante. 
O empreendedor, que é o comerciante, o dono do mercado, da loja de calçados, de roupas, precisa antes de tudo conhecer a região onde está  e manter uma boa relação interpessoal, com o cliente, com o vizinho, enfim, com o consumidor e com o fornecedor, conhecer seus concorrentes, o potencial de crescimento  e conhecer a necessidade do cliente para melhor atendê-lo. 
O consumidor do comércio regional tem pouco tempo, dinheiro contado e  muita informação, o que dificulta a absorção da mensagem veiculada em meios de comunicação em massa, na grande mídia e isso o faz acabar comprando apenas pelo preço, independente do valor agregado a marca, ao produto,  da qualidade oferecida.
O comércio do bairro precisa ressaltar seus pontos fortes e atacar os pontos fracos do negócio, por exemplo,  se seu ponto fraco é o preço precisa ressaltar a qualidade para que o consumidor veja que vale a pena pagar mais por um produto melhor; se o ponto fraco são as filas no caixa que ele ressalte o preço baixo, vale a pena  perder em minutos e ganhar em dinheiro. 
A publicidade deve ser uma constante, não adianta inserir um anúncio pequeno, com uma infinidade de informações em letras pequenas, sem observar a objetividade, a qualidade da mensagem e o público alvo, uma única vez e esperar encher a loja. A mensagem precisa ser clara e objetiva, de fácil entendimento para ser absorvida. 
O retorno na publicidade depende da repetição para colocar sua marca, seu produto ou serviço na mente do consumidor, depende também do preço oferecido, da qualidade do produto ou serviço, do atendimento ao cliente, da disposição do produto na prateleira, entre vários outros fatores. Muitos pequenos comerciantes culpam o veículo de comunicação por não vender quando muitas vezes o que mais lhes prejudica é o atendimento ao cliente e a imagem da empresa uma vez que nos bairros todos se conhecem e as informações também são passadas de pessoa para pessoa. Não adianta divulgar a loja e enganar o cliente, ele pode ser lesado uma vez, mas não voltará, por uma venda perde-se um cliente uma vida inteira e quando essa imagem negativa se espalhar não haverá publicidade que ajude. Por isto a transparência, a honestidade, a idoneidade é muito importante para todas as empresas de grande, pequeno ou médio porte.
A Internet veio como um meio prático e de baixo custo para a divulgação  mas o consumidor do comércio  do bairro não tem  por hábito pesquisar na Internet antes da compra, ele gosta de ir no local mais próximo, conhecido, onde é certo que encontrará o produto, onde será adquirido com pronta entrega. 
O Jornal de Bairro é um forte aliado do comércio regional, torna pública a oferta, faz conhecer, divulga a marca , os produtos ou serviços com eficiência e eficácia, faz aparecer e atinge o público alvo e consumidor em potencial, mas ser bem vista, ter o produto bem aceito, vender bem depende também do ponto de venda, da qualidade do produto, da promoção, do tempo de divulgação, da imagem da empresa e da mensagem estar bem direcionada ao seu público. 
Riselda Morais é especialista em Comunicação e Mercado, Pós Graduada pela Faculdade Carlos Drummond de Andrade, Jornalista MTB/SP 34.190 e Editora Pfx 907573 no Jornal do Momento News e Jornal Polo Paulistano.

Ministério Público notifica Secovi-SP: Proibida a contratação de menores para distribuição de material publicitário por empresas de lançamentos imobiliários

Por: Riselda Morais





A cidade de São Paulo está lançando cerca de 30 mil empreendimentos imobiliários  neste ano e só no período de janeiro a maio gerou 1,2 milhão de novos empregos formais. Com tantos lançamentos, a competição entre as construtoras é acirrada, percebemos facilmente a intensidade da concorrência ao fazer um pequeno percurso de carro com os vidros  abertos, a cada semáforo surgem várias pessoas entregando os antigos panfletos, que agora proibidos na capital paulista foram repaginados, para parecer um jornal ganharam algumas matérias sobre o crescimento da região mas mantiveram o tamanho e o tipo de papel de panfletos.
A irritação que o bombardeio do material provoca nos munícipes que acabam voltando para casa  com o carro cheio de panfletos não tem consequencias, mas o fato de algumas empresas usarem menores na distribuição do material nos semáforos e com placa do empreendimento pendurada no corpo, muitas vezes usando perucas coloridas ou roupas chamativas, chamou a atenção do Ministério Público do Trabalho, que através da Procuradora do Trabalho Maria José S.C.P. do Vale notificou, em 30 de maio de 2012, a Secovi-SP para que alerte as empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais  representadas pelo sindicato acerca dos malefícios do trabalho desempenhado aos adolescentes, bem como a proibição legal ao emprego  de crianças e adolescentes para a distribuição de material “jornalístico” ou publicitário nas ruas, para promover lançamentos imobiliários, seja através de contratação direta ou indireta dos mesmos, inclusive dentro dos empreendimentos imobiliários, com o intuito de coibir a utilização de crianças ou adolescentes para fins de atividades exploratorias, preponderantemente portando placa indicativa da localidade do prédio objeto do negócio a céu aberto. A notificação lembra que a defesa dos direitos de crianças e adolescentes não é restrita somente ao poder público, sendo também dever posto de toda a sociedade brasileira.
A Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)  proíbem o trabalho infantil no País.
A Constituição Federal em seu artigo 7º XXXIII, veda o trabalho aos menores de 18  anos  que atente contra sua formação física e moral. “Proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de catorze anos de idade“.
O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90) em seu Artigo 2º considera criança a pessoa de até 12 anos de idade  incompletos, e considera adolescente a pessoa entre 12 e 18  anos de idade.
O artigo 67 dispõe que : “Ao adolescente empregado, aprendiz, em regime familiar de trabalho, aluno de escola técnica, assistido em entidade governamental ou não-governamental, é vedado trabalho: II - perigoso, insalubre e penoso; III- realizado em locais prejudiciais à sua formação e ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social.“
Não só na cidade de São Paulo, mas em todo o  País, muitos adolescentes trabalham como adultos para ajudar na renda familiar. Segundo dados do IBGE, são mais de quatro milhões de pequenos brasileiros, entre 5 e 17 anos que trabalham.

Obras viárias em Itaquera serão executas pela Dersa


     Por: Riselda Morais

A Dersa - Desenvolvimento Rodoviário S/A - assinou no dia 16/08 o contrato para a execução das obras e  serviços de implantação do programa de Desenvolvimento Viário da Zona Leste de São Paulo. A previsão é que as obras sejam iniciadas em duas semanas e concluídas em 20 meses.  
O edital com o extrato do contrato foi publicado no DOE - Diário Oficial do Estado de São Paulo do dia 16.
As obras do Desenvolvimento Viário da Zona Leste foram orçadas em R$ 478,2 milhões, incluindo projetos e desapropriações, têm recursos de duas fontes, sendo R$ 345,9 milhões investidos pelo Tesouro do Estado de São Paulo e R$ 132,3 milhões investidos pela Prefeitura Municipal  de São Paulo.
Fases das obras que serão executadas pela Dersa:
1 - Nova Avenida de Ligação Norte – Sul, no trecho entre a Avenida Itaquera e a Avenida José Pinheiro Borges (Nova Radial), incluindo as transposições em desnível sobre as linhas do metrô e da CPTM;
2 - Nova Avenida, articulando a Ligação Norte – Sul com a Avenida Miguel Inácio Curi, junto à adutora da Sabesp existente;
3 - Passagem em desnível na Rua Doutor Luís Aires (Radial Leste), no trecho em frente às estações do metrô e da CPTM; 
4 - Adequação viária no cruzamento da Avenida Miguel Inácio Curi com a Avenida Eng. Adervan Machado.  

22ª Bienal Internacional do Livro recebeu 750 mil visitantes


Por: Riselda Morais



       A 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, cujo tema “Livros transformam o mundo, livros transformam pessoas” realizada no Pavilhão de Exposições do Anhembi, no período de 09 a 19 de agosto bateu recorde de público comparando-se as edições anteriores, recebeu 750 mil visitantes em 11 dias.  
Em um espaço de 34 mil metros, o evento que é considerado o maior encontro literário da América Latina trouxe cerca de 1.180 autores novos e consagrados sendo 18 deles internacionais, lançou aproximadamente 1.829 novos livros e atraiu leitores de todas as idades, entre eles 120 mil alunos da capital e do interior que se divertiram com a variedade de títulos, especialmente as crianças que tiveram acesso a livros com preços de até R$ 2,00. 
O evento proporcionou uma rica troca de experiências nas 1.340 horas de atrações realizadas nos espaços culturais: Salão de Ideias, Deu a Louca nos Livros, # Você + Quem = ?, Espaço do Professor, Cozinhando com Palavras, Telas & Palcos e Livros & Cia, por onde passaram cerca de 12.010 pessoas; além da programação paralela de 480 expositores - 346 nacionais e 134 internacionais (representados pela Alemanha, Suíça, França, Espanha, Bélgica, China, Coreia do Sul, Japão, Colômbia, Peru e Canadá).

Pastel Kyoto vence “Tira Teima do Melhor Pastel de Feira de São Paulo“


Bancas da Zona Leste, Pastel Kyoto e  Yoko Matoba conquistam, consecutivamente, o primeiro e o segundo lugar do concurso

Por: Riselda Morais


Panorâmica da Praça Charles Miller, no Pacaembu durante concurso




O Concurso do Melhor Pastel de Feira da Cidade de São Paulo foi ainda melhor em 2012, elegendo o melhor entre os melhores pastéis já eleitos nas edições anteriores. Na segunda-feira, (27/08), a partir das 8h, na Praça Charles Miller, no Pacaembu, participaram do concurso os finalistas das três últimas edições realizadas em 2009 que teve como vencedor o Pastel da Maria; 2010   venceu os Pastéis Agena e 2011 venceu pela segunda vez os Pastéis da Maria. 
Diferente da edição 2011 onde o público podia eleger seu candidato, este ano a avaliação foi exclusiva de  20 profissionais ligados à gastronomia, chefs de cozinha, críticos e jornalistas, e a degustação foi feita às cegas, por um corpo técnico de jurados especializados que não sabia de qual barraca era o pastel que estava sendo avaliado e as notas foram exibidas em um painel eletrônico durante a apuração.  
Vinte finalistas das edições anteriores  foram selecionados para esta edição, entre eles, alguns campeões das etapas regionais, passados duas horas de degustação e julgamento, o Pastel Kyoto conquistou o 1º lugar, recebendo o titulo de “Melhor pastel de São Paulo”. 
O segundo lugar ficou com a banca Tyoko Matoba, também da Zona Leste e o terceiro com o Pastel Nakama.
Os três primeiros colocados receberam R$ 8.000,00, sendo R$ 5.000,00 para o primeiro lugar, R$ 2.000,00 para o segundo e R$ 1.000,00 para o terceiro, os melhores colocados de cada região receberam placas de apresentação e o direito a comercializar seus pastéis durante a Virada Cultural.
Foram analisados apenas o pastel de carne, nos critérios sabor, qualidade, textura da massa e do recheio e qualidade da fritura.
Quem foi a Praça Charles Miller pôde saborear os melhores pastéis de São Paulo nas bancas que ficaram montadas durante o “Tira Teima“ vendendo pastéis de todos os sabores a R$ 1,50 e caldo de cana a R$ 1,00 o copo com 200 ml.
A Zona Leste venceu as duas primeiras posições do concurso e os pastéis podem ser saboreados nas feiras livres, confira os endereços.
PASTEL KYOTO (1º lugar no concurso)
 - 3ª feira - Av. Manoel dos Santos Braga - Limoeiro; 4ª feira - R. Boaventura R Da Silva - Ponte Rasa; 4ª feira - R. Maragojipe - Vl Formosa; 4ª feira - R. Madre de Deus - Mooca; 5ª feira - Av. Mata Machado - Vl California; 5ª feira - R. Andre Natale - Jd Popular; 5ª feira - R. Irma Carolina - Belenzinho; 6ª feira - R. Antonio Camardo - Tatuape; Sábado - R. Pde Francisco de Toledo - Itaquera Cohab I; Sábado - R. Eng Reinaldo Cajado - Belenzinho; Domingo - R. Tuiuti - Tatuape.
TYOKO MATOBA (2º lugar no concurso) - 4ª feira - R. Ivan Maia Vasconcelos - Jd Triana;  6ª feira - R. Sinanduva - Vl Marieta; Sábado - R. Cachoeira Paulista - Cid. Patriarca; Domingo - R. Shobee Kumagai - Ermelino Matarazzo.  
PASTÉIS AGENA - 6ª feira - R. José Gomes Faria - Vl Cisper
PASTÉIS GABI - 3ª feira - Av. Pau D’Arco Roxo - Cid. Pedro José Nunes; 5ª feira - Av. Borboleta Amarela - Jd São Martinho; 6ª feira - Av. Flamingo - Vl Nova Curuça; Sábado - R. Anastacio Trancoso - Jd Nella; Domingo - R. Benedito de Souza Borges - Jd Robru.
PASTÉIS OKINAWA - 4ª feira - R. Pedro Alegretti - Penha; 6ª feira - R. Municipal - Vl Ré; 
PASTÉIS OKINAWA - 6ª feira - R. Pedro Luiz de Souza - Jd Brasilia; Sábado - R. Maria Francisca do Nascimento - Vl Cruzeiro; Domingo - R. Palmeira Laca - Jd Eliane.
PASTELARIA YUKARI 
- 3ª feira - AV. Itaim - Itaim Paulista; 4ª feira - Av. Itaim - Vl Itaim; 5ª feira - R. Monsenhor Salim - Jd Miliunas; Sábado - R. Monsenhor Salim - Jd das Oliveiras



Receita de Pastel de Feira


Ingredientes
Massa:
2 xícaras de farinha de trigo
1 ovo
1 colher (sopa) de óleo
1/2 colher (sopa) de aguardente
1/4 xícara de água
1/2 colher (chá) de sal
Recheio de palmito (opcional):
1 cebola pequena picada
1 dente de alho amassado
4 colheres (sopa) de azeite
1 tablete de caldo de galinha
3 colheres (sopa) de extrato de tomate
3 colheres (sopa) de farinha de trigo tipo I
800ml de leite
Sal a gosto
800g de palmito macio picado
Salsinha a gosto
Modo de preparo:
Massa: Coloque a farinha sobre uma superfície lisa. Faça uma depressão no centro e aí coloque o restante dos ingredientes. Com um garfo, faça movimentos circulares, de dentro para fora, misturando todos os ingredientes. Amasse bem com as mãos. Deixe a massa descansar por 30 minutos, coberta com um filme plástico. Abra a massa, em pequenas porções bem finas, com a máquina de macarrão, formando um retângulo de aproximadamente 15x60 cm. Disponha a massa numa superfície lisa polvilhada com farinha. Distribua 1/2 colher (sopa) do recheio desejado no centro, deixando uns 3 cm de espaço entre os montinhos de recheio. Pincele com água nas bordas e entre os recheios. Dobre a parte inferior da massa. Aperte bem as bordas e os intervalos entre os recheios. Corte com uma carretilha no formato que desejar e esta pronto!!!
Recheio de palmito (opcional): 
Numa panela, aqueça o azeite e doure o alho e a cebola, junte o tablete de caldo, o extrato de tomate e cozinhe bem por 5 minutos.Coloque o leite devagar, mexendo sempre para não empelotar, até atingir o ponto cremoso. Deixe cozinhar por mais uns 5 minutos aproximadamente, acrescente o palmito e deixe por 1 minuto.Retire do fogo e depois de uns 5 minutos mais ou menos coloque a salsinha.



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Francine Pantaleão, a Miss São Paulo 2012


Por: Riselda Morais
Miss São Paulo 2012, Francine Pantaleão recebe a coroa da Miss São Paulo 2011, Rafaela Butareli


       A Miss Jaú Francine Pantaleão, 23 anos, foi eleita a Miss São Paulo 2012 no concurso realizado na noite de sábado,11 de agosto, no Palacio de Convenções do Anhembi, apresentado por Adriane Galisteu e transmitido para todo o Brasil.
Francine foi eleita a mais bela do estado em 2012, entre 30 participantes de várias cidades  do Estado de São Paulo e garantiu o direito de  representar São Paulo no concurso para  eleger a Miss Brasil,  em 29 de setembro  em Fortaleza. Conquistaram o segundo lugar a Miss Cordeirópolis Layla Penas e o terceiro  a Miss Atibaia Milena Xeder. 
As candidatas chegaram ao hotel nos jardins, na capital paulista dia 1º, onde ficaram concentradas por 10 dias, durante os quais fizeram ensaios, provas de roupas e passearam pela cidade. 
A Miss São Paulo foi escolhida pelos jurados:  Adriana Vilarinho (Dermatologista);Rita Batista (Apresentadora do programa Muito+ da Band); Boarnerges Gaeta Jr.  (Diretor da empresa de eventos Enter, do Grupo Bandeirantes); Amir Slama (Estilista); Helô Pinheiro  (Empresária e eterna Garota de Ipanema); Arley Aires (Da SP Turis); Bia Figueiredo (Piloto de Fórmula Indy); Ellen Jabour (Modelo e apresentadora); Fernando Pires (Designer de calçados); Gigi Neves (Diretora de relacionamento do Shopping Iguatemi); Ricardo Almeida (Estilista); Celso Kamura (Maquiador e cabeleireiro).

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Zona Leste está bem representada no Concurso 2012, “Tira Teima do Melhor Pastel de Feira de São Paulo“

Por: Riselda Morais



Panorâmica das barracas na Praça Charles Miller em 2011

Pastel Agena é o vencedor do concurso em 2010

Maria venceu o concurso em 2009 e 2011

Corpo de jurados de 2011


O Concurso do Melhor Pastel de Feira da Cidade de São Paulo será ainda melhor em 2012, irá eleger o melhor entre os melhores pastéis já eleitos nas edições anteriores. No dia 27 de agosto, a partir das 8h, na Praça Charles Miller, no Pacaembu, participarão do concurso os finalistas das três últimas edições realizadas em 2009 - teve como vencedor o Pastel da Maria, 2010 -   venceu os Pastéis Agena e 2011 - venceu pela segunda vez os Pastéis da Maria. 
Diferente da edição 2011 onde o público podia eleger seu candidato, este ano a avaliação é exclusiva de  20 profissionais ligados à gastronomia, chefs de cozinha, críticos e jornalistas, e a degustação será feita às cegas, por um corpo técnico de jurados especializados em gastronomia que não saberá de qual barraca é o pastel que está sendo avaliado e as notas serão exibidas em um painel eletrônico durante a apuração. 
Vinte finalistas das edições anteriores  foram selecionados para esta edição, entre eles, alguns campeões das etapas regionais.
Os três primeiros colocados receberão R$ 8.000,00, sendo R$ 5.000,00 para o primeiro lugar, R$ 2.000,00 para o segundo e R$ 1.000,00 para o terceiro, os melhores colocados de cada região receberão placas de apresentação e o direito a comercializar seus pastéis durante a Virada Cultural.
Será analisado apenas o pastel de carne, nos critérios sabor, qualidade, textura da massa e do recheio e qualidade da fritura.
Quem quiser saborear os melhores pastéis de São Paulo pode ir até as barracas que ficarão montadas durante o “Tira Teima“ vendendo pastéis de todos os sabores a R$ 1,50 e caldo de cana a R$ 1,00 o copo com 200 ml.
A Zona Leste está bem representada no concurso e os pastéis podem ser saboreados nas feiras livres.
PASTÉIS AGENA - 6ª feira - R. José Gomes Faria - Vl Cisper
PASTÉIS GABI - 3ª feira - Av. Pau D’Arco Roxo - Cid. Pedro José Nunes; 5ª feira - Av. Borboleta Amarela - Jd São Martinho; 6ª feira - Av. Flamingo - Vl Nova Curuça; Sábado - R. Anastacio Trancoso - Jd Nella; Domingo - R. Benedito de Souza Borges - Jd Robru.
PASTÉIS OKINAWA - 4ª feira - R. Pedro Alegretti - Penha; 6ª feira - R. Municipal - Vl Ré; 
PASTÉIS OKINAWA - 6ª feira - R. Pedro Luiz de Souza - Jd Brasilia; Sábado - R. Maria Francisca do Nascimento - Vl Cruzeiro; Domingo - R. Palmeira Laca - Jd Eliane.
PASTEL KYOTO - 3ª feira - Av. Manoel dos Santos Braga - Limoeiro; 4ª feira - R. Boaventura R Da Silva - Ponte Rasa; 4ª feira - R. Maragojipe - Vl Formosa; 4ª feira - R. Madre de Deus - Mooca; 5ª feira - Av. Mata Machado - Vl California; 5ª feira - R. Andre Natale - Jd Popular; 5ª feira - R. Irma Carolina - Belenzinho; 6ª feira - R. Antonio Camardo - Tatuape; Sábado - R. Pde Francisco de Toledo - Itaquera Cohab I; Sábado - R. Eng Reinaldo Cajado - Belenzinho; Domingo - R. Tuiuti - Tatuape.
PASTELARIA YUKARI - 3ª feira - AV. Itaim - Itaim Paulista; 4ª feira - Av. Itaim - Vl Itaim; 5ª feira - R. Monsenhor Salim - Jd Miliunas; Sábado - R. Monsenhor Salim - Jd das Oliveiras
TYOKO MATOBA - 4ª feira - R. Ivan Maia Vasconcelos - Jd Triana;  6ª feira - R. Sinanduva - Vl Marieta; Sábado - R. Cachoeira Paulista - Cid. Patriarca; Domingo - R. Shobee Kumagai - Ermelino Matarazzo.  

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Comerciantes e moradores de Vila Guilhermina reivindicam a instalação de uma agencia bancária no bairro

Por: Riselda Morais

Chico, Claudia, Neto, Wagner e Ronald 


Você já imaginou se tivesse que caminhar por quilômetros para pagar suas contas ou receber sua aposentadoria?. Não?. Você deve estar pensando: - Porque  faria  isso, se posso acessar a Internet e fazer tudo através do banco online.  Ou... prefiro ir de carro a caminhar. Tem toda razão. 
Mas nem todas as pessoas têm o privilegiado direito às escolhas.
Os moradores e comerciantes do Bairro de Vila Guilhermina, na Zona Leste da capital, sabem bem o que é precisar de uma agencia bancária e não ter por perto, ter que se deslocar para outros bairros para realizar seus serviços bancários. 
Segundo a comerciante Claudia, proprietária do Cantinho Natural, instalado no bairro há 4 anos, o bairro tem apenas uma casa lotérica para suprir as necessidades dos moradores que não têm como se deslocar para outros bairros.
“As pessoas dependem dessa lotérica, certa vez ela teve um problema de funcionamento com alguma peça e ficou por cerca de 40 dias sem funcionar, temos um comércio grande aqui, foi um transtorno para muitas pessoas e para muitos comerciantes que tiveram que se deslocar para os bancos da Vila Dalila ou para a Penha“, diz Claudia.
Para o aposentado José Pinto da Silva é bem mais complicado receber sua aposentadoria do que para muitos aposentados do país, ele leva no mínimo 45 minutos para chegar até uma agencia bancária e diz que a implantação de um banco facilitaria sua vida. 
“Para receber minha aposentadoria, preciso ir até uma agência no bairro de Arthur Alvim, para isso preciso pegar metrô e depois uma perua que passe na Marciel Monteiro“, declara o Sr. José.
A  dificuldade enfrentada pelo Sr. José se estende para  muitos outros idosos.
Morador do bairro há 30 anos e proprietário de  um comércio no bairro, Ronald,  afirma que para muitos idosos a dificuldade é ainda maior .“Dependendo do tipo de banco que precisam, alguns idosos caminham do bairro de Vila Guilhermina até o centro do bairro de Vila Matilde, porque não há linha de ônibus direto para lá”, diz.
Neto, proprietário do Restaurante Sabor do Norte mostra um abaixo assinado, feito por moradores e comerciantes reivindicando uma agência bancária no bairro. “Seria bom que viesse uma agência do Bradesco, Itaú ou Santander, porque são os bancos mais usados pelos moradores e se instalasse no centro do bairro, onde tem mais comércios“, enfatiza.