Traduzir

Pesquisar

sexta-feira, 30 de março de 2012

O mundo contemporâneo e a inversão de valores na sociedade


Por: Riselda Morais

            No mundo  contemporâneo, muitos dos valores que foram passados de geração para geração estão se perdendo e nos percebemos em meio a uma sociedade com valores invertidos, onde o certo e o errado se confundem, onde as pessoas desenvolveram a capacidade de aceitar o errado como certo ou simplesmente se omitir a perceber  isso e a reagir diante de tais fatos.  A aceitação neste caso não vem para favorecer, mas para contribuir  com a deturpação da ética, do conjunto de valores e princípios através do qual decidimos entre o que queremos, o que devemos e o que podemos fazer. O mais triste diante desta inversão de valores dos dias atuais é que ninguém mais faz as perguntas básicas para discernir o certo do errado: Eu quero, mas eu posso? Eu devo?.
            As consequências negativas dessa inversão de valores  surgem todos os dias. A começar pelos sustentáculos da sociedade que é o lar e a escola. Nos  lares temos visto pais  e mães que matam filhos, jogam pela janela, jogam crianças no lixo, fazem filhos de refém. Em contrapartida temos filhos que matam os pais, fazem de refém, batem,  fazem tortura física e psicológica.  Se os valores não estivessem invertidos, esses mesmos pais protegeriam seus filhos de todo e qualquer perigo, lhes supriria todas as necessidades de atenção, amor, orientação, cuidados, educação.
Na escola que é o segunda pilar, o segundo sustentáculo, temos alunos agredindo professores e professores batendo em alunos , temos alunos matando colegas, enfim, temos o ambiente parceiro do lar na educação de um indivíduo transformado em um verdadeiro campo de guerra, onde o aluno não está mais seguro por estar em sala de aula e onde o professor perde o foco de educar e passa a agredir.    
       Sinto saudades de quando a escola e o lar eram parceiros na difícil tarefa de educar, quando pais e mestres tinham como único objetivo formar cidadãos de bem, de quando os filhos sabiam respeitar a seus pais e aos seus professores, de quando o aluno levava uma suculenta e inocente maçã para a sala de aula ao invés de uma arma para tirar a vida do colega.
            A inversão de valores, vai além do ambiente familiar e além da escola, porque já está impregnada na sociedade e o pior é que  os indivíduos que perderam os valores familiares, que desconhecem os princípios, a ética, a moral e a noção do que é  ser um ser humano toma realmente o errado como certo.
Quando na apuração do  carnaval aqui em São Paulo, alguns indivíduos provocaram tumulto, roubaram as notas e rasgaram, demonstraram claramente que não sabem discernir o que é uma diversão de um tumulto, que acham que ganhar é levar vantagem  em toda e qualquer situação, não sabem competir só levar vantagem.
Quando no final de um jogo, em que obrigatoriamente só há um time vencedor, esta é uma regra clara, por isto chama-se jogo, mas mesmo assim as torcidas matam umas as outras, transformam as proximidades do estádio  em um campo de guerra e saem achando que fizerem bonito, certo, quando na verdade desconhecem o significado da palavra esporte, desconhecem que torcer por um time  é aceitar suas vitórias e suas derrotas com dignidade, em paz e respeitando o adversário que perdeu ou ganhou, isto é amar um time, isto é ser torcedor, todo aquele que sai brigando, com vandalismo, matando, não é um torcedor, mas um tumultuador e criminoso, um agressor que pensa que seu time só presta se ganhar e não se competir com grandeza e dignidade.Os mesmos valores distorcidos, invertidos e destrutivos percebemos na coletividade quando  dá uma pane em um trem, um ônibus, coisas que acontecem, afinal são máquinas passíveis de problemas imprevistos, assim como pode acontecer com nosso próprio carro mesmo quando somos cuidadosos na manutenção. O usuário usa aquele trem todos os dias para sua locomoção, mas se em um dia ele apresenta uma pane é o fim do mundo, ao invés  aguardar a solução para  aquele problema, cria-se mais agindo com selvageria, se deu problema no trem revoltam-se e destroem a estação.  - Quem mais perde com isso?.- Quanto tempo mais será necessário para a recuperação de tudo?.- Quem se prejudica mais?. Precisarei dela amanhã?
            Precisamos aprender a amar a família, as crianças, aos filhos, aos pais; a agradecer aqueles que nos transmitem conhecimentos, a respeitar ao próximo e ao adversário, valorizar tudo aquilo que nos serve e sermos melhores como pessoas.

sábado, 24 de março de 2012

Inaugurado Hospital Santo Antônio, de atendimento SUS com excelência Beneficência Portuguesa, na Penha, Zona Leste

 Por: Riselda Morais

Coletiva de Imprensa com o Governador Geraldo Alckmin

Prefeito Gilberto Kassab,  Arcebispo de São Paulo Dom Odilo Sherer, Presidente da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Rubens Ermírio de Moraes e o Governador Geraldo Alckmin

Hospital Santo Antônio - Beneficência Portuguesa de SP unidade Penha


Foi inaugurado na quinta-feira (22/03) o Hospital Santo Antônio, uma unidade da Beneficência Portuguesa no bairro da Penha, Zona Leste da capital paulista que atenderá exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde. O funcionamento do hospital  foi marcado para a primeira quinzena de abril. 
"O Hospital Santo Antônio vai ser 100% SUS e vai oferecer saúde com a qualidade Beneficência Portuguesa" declarou Dr. Rubens  e esclareceu: "a unidade São Joaquim não deixará de atender ao SUS, aqui vai ser feito maternidade e média complexidade, a alta complexidade vai ser feito na unidade Beneficência do Paraíso", afirmou o Presidente da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Rubens Ermírio de Moraes
O Governador Geraldo Alckmin ressaltou a excelência da Beneficência Portuguesa e a importância do atendimento gratuito de qualidade para a população.
"Temos observado, muitas entidades filantrópicas vão saindo do SUS porque o atendimento com a  tabela do SUS,  o prejuízo é tão grande,  que muitas entidades deixam de atender ao SUS e o Beneficência faz o contrário mantendo, inaugurando um novo hospital que vai ser um grande hospital aqui na região,  atendendo 100%  de forma gratuita,  através do SUS  e trazendo a excelência s que é a Beneficência Portuguesa de São Paulo. Em boa hora o hospital vai prestar bons serviços de saúde,  para a comunidade de toda a Penha , da região, da nossa cidade", declarou Alckmin.
Implantado nas antigas instalações do Hospital Nossa Senhora da Penha, sito a Rua General Sócrates 145 no bairro da Penha,
   em prédios arrendados por 10 anos, o hospital iniciará suas atividades com 166 leitos, sendo 10 para UTI adulto, 20 para UTI neonatal (6 para alto risco), 46 para internação cirúrgica de média complexidade, 46 para internação clínica e 44 para alojamento conjunto, quando estiver em pleno funcionamento oferecerá 426 leitos.
Para o prefeito Gilberto Kassab a população está recuperando o atendimento que havia perdido com o fechamento do Hospital Nossa Senhora da Penha. "Aqui no passado funcionava um excelente hospital, com excelentes serviços prestados a população, em especial a população da Zona Leste e a  Beneficência dá a oportunidade para que a cidade de São Paulo possa contar novamente com esse mesmo equipamento, a população ter novamente um atendimento com saúde de qualidade" disse Kassab.
O hospital contará com centro obstétrico, seis salas de centro cirúrgico, cinco quartos para partos humanizados e consultórios para atendimento nas especialidades: Cirurgia geral, cirurgia vascular, ginecologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, obstetrícia e urologia.

Participaram da inauguração o Presidente da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Rubens Ermírio de Moraes ; Governador Geraldo Alckmin;  Prefeito Gilberto Kassab;  Arcebispo de São Paulo Dom Odilo Sherer ;  Dr. Fernando Ramalho; Secretário de Estado da Saúde
Dr. Giovanni Guido Cerri;   Secretário Municipal da Saúde Januáro Montone ; Vereador Gilberto Natalini; Subprefeito da Penha Eduardo José Félix; conselheiros, diretores, médicos, enfermeiros, Monsenhor Carlos Calazans Pároco do Santuário Nossa Senhora da Penha, Inspetor Viana e outras autoridades.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Circuito Popular de Corridas de Rua reunirá 62 mil participantes em 31 etapas


Por: Riselda Morais


Secretário de Esporte Bebeto Haddad lança Circuito Popular de Corrida  Rua
em toda a cidade de São Paulo




O Secretário Bebeto Haddad lançou oficialmente, nesta terça-feira (20/03) durante evento realizado na Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação, o Circuito Popular de Corridas de Rua.  A quinta edição do Circuito começa no próximo dia 25 e pela primeira vez vai atender a todas as subprefeituras da capital, serão 31 etapas realizadas entre os meses de março e novembro. Para cada prova serão disponibilizadas duas mil vagas e a estimativa é que se alcance um novo recorde de participantes com 62 mil corredores.
            Segundo o secretário Bebeto Haddad o calendário de Corridas de Rua tem uma média de 100 corridas, sendo 70% delas pagas e 30% são Circuito de Corrida de Rua, corridas gratuitas que vieram para mudar, as corridas pagas são centralizadas em apenas 8 regiões da cidade que mais atraem patrocinadores, mas agora, pela primeira vez a cidade de São Paulo terá opções de corridas gratuitas em toda a cidade, em 31 regiões. "Nosso objetivo é tornar a corrida de rua ainda mais popular, oferecendo um circuito profissional, gratuito, fomentando a saúde e a qualidade de vida através de um esporte que é democrático, de fácil participação", enfatizou Bebeto.
O secretário Bebeto Haddad expressou a vontade de aumentar o número de participantes nas próximas edições e afirmou que o Circuito tem corridas gratuitas, mas tão boas quanto às corridas pagas.  "Esse é o maior Circuito Popular de Corrida de Rua do Brasil, nenhuma outra cidade fez com tanta qualidade como estamos conseguindo fazer".
Bebeto lembrou também, que através do atletismo, do esporte, está oferecendo mais saúde e qualidade de vida a população. "Nos queremos ocupar a cidade levando esporte e lazer para toda a cidade, queremos ocupar as ruas, parques e praças dando lazer de qualidade e com segurança a população", enfatizou.
A Secretaria informou que todas as inscrições são gratuitas e serão feitas diretamente nas Supervisões de Esportes de cada Subprefeitura, para que a comunidade local possa participar. As inscrições devem ser feitas especialmente, um mês antes de cada corrida, logo os participantes devem ficar atentos a data da corrida do seu bairro e inscrever-se pessoalmente.
            Ainda segundo a Secretaria, das duas mil vagas oferecidas em cada etapa, 1.600 são para corredores e 400 para caminhantes. Os percursos serão diferentes para as modalidades, sendo 5 km de extensão para as corridas e 2,5 km de extensão para as caminhadas, ambas sem limites de idade.
Cada participante receberá 1 kit gratuito contendo: água, lanche, camiseta, chip de cronometragem e medalha de participação. No total, a Secretaria distribuirá 62 mil camisetas, 62 mil medalhas, 62 mil barras de cereais, 200 mil copos d'água, 62 mil chips de corrida e 310 troféus.
Calendário do Circuito Corridas de Rua 2012:
Março
25/03 - Sé
Abril
01/04 - Santana -
08/04 - Pinheiros
15/04 - Mooca
22/04 - Cidade Tiradentes
29/04 - Campo Limpo
MAIO
06/05 - Guaianazes
13/05 - Itaim
20/05 - Penha
27/05 - Vila Mariana
Junho
03/06 Freguesia do Ó 
10/06 - Vila Maria
24/06 - Santo Amaro
Julho
01/07 - Aricanduva
08/07 - Capela Socorro
15/07 - Vila Prudente
22/07 - Jaçanã
29/07 - Cidade Ademar
Agosto
05/08 - Ipiranga
12/08 - Pirituba
19/08 - São Mateus
26/08 - Lapa
Setembro
02/09 - M'Boi Mirim
09/09 - Jabaquara
23/09 - São Miguel
30/09 - Itaquera
Outubro
14/10 - Casa Verde
21/10 - Perus
Novembro
04/11 - Ermelino Matarazzo
11/11 - Butatã
18/11 - Parelheiros

quinta-feira, 22 de março de 2012

Moradores do Jardim Castelo reivindicam a PMSP reforma da quadra de esportes da Praça Sylvio Altapini


Crianças brincam em piso rústico e irregular, sem iluminação, sem grades de proteção lateral, com gol enferrujado e sem redes.



    A quadra de esportes da Praça Sylvio Altapini, no bairro Jd. Castelo, Zona Leste de São Paulo encontra-se em situação de abandono pelo poder público. Desde janeiro de 2011 a comunidade local vem solicitando a reforma mas até agora não obteve êxito.
    Entre as principais solicitações feitas pelos moradores estão:
- Iluminação, hoje não há nenhuma no local.
- Podagem das árvores e retirada de entulhos ao redor da quadra.
- Troca do material do piso por um apropriado, o atual é feito de asfalto e cheio de buracos,  provoca constantes machucados nas crianças.
- Colocação de grades de proteção ao redor da quadra. Hoje é aberta e permite que as crianças corram para buscar a bola na rua, correndo risco de atropelamentos.
- Troca dos gols enferrujados por gols novos.
- Colocação da rede de proteção do gol.
    Segundo Vitor Jabur, as reivindicações são feitas há muitos anos, ele oficializou a solicitação da reforma da quadra no site da Prefeitura Municipal de São Paulo em janeiro de 2011, desde então tem enviado cartas e e-mails pedindo  ajuda aos Vereadores mas os objetivos ainda não foram alcançados.
    Ainda segundo Vitor Jabur as crianças  sofrem muitos pequenos acidentes enquanto brincam no piso rústico e cheio de buracos, mas o maior risco que correm é de atropelamentos. “A ausência de grades, aqui é uma praça onde passam muitas lotações e carros, as crianças correm para a rua para buscar a bola correndo risco de serem atropeladas, muitas já se machucaram aqui e tomaram até pontos“, diz preocupado Vitor.
    Em nome dos moradores do Jd. Castelo,  Vitor criou um blogger onde posta e dá satisfação a comunidade do andamento das reivindicações , alguns vereadores responderam aos e-mails, enviaram ofício a Subprefeitura Penha, mas até o momento a Subprefeitura responsável não tomou nenhuma providência para a realização da reforma da quadra de esportes da Praça Sylvio Altapini.

Fraudes e descaso: as doenças crônicas do Sistema de Saúde brasileiro

Por: Riselda Morais

    Para percebermos o descaso com que os doentes que precisam do Sistema Único de Saúde são tratados ao procurar um hospital, seja ele público ou particular, não precisamos ir longe, basta-nos ir ao hospital mais próximo e lá está: pessoas esperando horas por um atendimento que quando acontece é relâmpago, o paciente não recebe atenção suficiente sequer para fazer suas queixas, falar de suas dores. Muitas vezes sequer chega a ser atendido, a maioria das vezes esbarra naquela burocracia em que, se não reside nesta região... não pode ser atendido neste hospital, e muitas vezes sequer tem médicos na unidade.
    O mais grave é quando se trata de mulheres grávidas que são tratadas como bolas de pingue-pongue de um hospital para outro, ninguém interna e o resultado é o óbito do bebê.  Estes são apenas alguns exemplos do descaso encontrado pelas pessoas doentes neste país.  Mas essas doenças do Sistema não existem apenas na Rede Pública, quando procuramos um médico através dos planos de Saúde, lá estão elas burocraticamente explicadas e inaceitáveis.
    É inaceitável que se pague a um plano de saúde mensalmente e quando precise de um médico esbarre em todos os tipos de obstáculos para não ser atendido. Muitos começam pelo guia médico que os planos insistem em não enviar todos os anos, quando o consumidor precisa os endereços, telefones, clínicas e hospitais conveniados já não existem mais. Ao procurar médicos como nutricionistas, psicólogos, ortopedistas, entre outras especialidades ouve-se um sonoro : - Não temos esta especialidade hoje senhora!
Clínico geral e dermatologista é longa a espera, meses até.
- Mas o que há por trás de todo este descaso?
- O que gera este mal atendimento coletivo?
    Esta doença crônica do Sistema de Saúde no Brasil que impede o país de cuidar bem de seus doentes começa durante as nefastas práticas de desvios de verbas da saúde, bilhões que vão parar em todos os lugares, fazendas, cuecas, paraísos fiscais ou em qualquer outro lugar que não é o Sistema de Saúde Pública; passa pelas fraudes das licitações para construção de hospitais, leitos, equipamentos, enfim, recursos que jamais chegam a população mais carente; mas não pára por aí, chegamos então a fase dos desvios dos próprios medicamentos que deveriam ser dados a população carente com doenças graves como câncer, AIDS e tantas outras doenças, mas são desviados, vendidos em farmácias e no mercado negro. Ainda na fase dos medicamentos temos os remédios falsos, de farinha, que são vendidos como verdadeiros e pelo preço de verdadeiros, mas são puro placebo, mas ainda não paramos aqui...  a incurável doença brasileira vai muito além, chega naqueles que deveriam ser os maiores defensores da Saúde, seja ela pública ou particular do país.
    Os médicos fazem o Juramento de Hipócrates que diz: “Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém”. “A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva”.
    Lindo juramento, não é mesmo?. Mas muitos se esquecem deste juramento e vão aos hospitais apenas assinar o ponto e voltam para suas clínicas particulares onde ganham com suas consultas, outros envolvem-se com  falsificação de recibos de consultas, exames e cirurgias, entre estes ilícitos que são os mais cometidos, ainda  há lugar para o superfaturamento de procedimentos hospitalares, falsificações por médicos e enfermeiros, que declaram ter usado equipamentos, materiais ou medicamentos, para os quais serão solicitados reembolsos; além da indiferença com o atendimento aos pacientes.
    É a Era das Trevas, onde todos só pensam em levar vantagem, onde o doente crônico é o próprio sistema que se torna incapaz de cuidar de seus pacientes, deixando o povo brasileiro morrendo nos corredores, no chão, nas calçadas  dos hospitais, entre gritos de dor e de revolta  e ainda tendo que admitir sua impotência diante dos que fazem da influência um emaranhado de irregularidades, do dinheiro do povo  seu dinheiro e da saúde no Brasil uma doença crônica que envolve  o Sistema público e privado em igualdade de crimes e responsabilidades!

segunda-feira, 12 de março de 2012

Debate no Programa Super Cidade com José Nello Marques e Bebeto Haddad

Por: Riselda Morais
José Nello Marques, Riselda Morais e Bebeto Haddad

Na sexta-feira, 09/03, entre as 18:00 e 19:00 hs participei de um debate gostoso no Programa Super Cidade da Super Rádio Tupi com o grande comunicador José Nello Marques e o Secretário Municipal de Esportes, Lazer e Recreação Bebeto Haddad .
As  noticias do dia foram comentadas com a participação dos ouvintes de uma forma muita agradável.
Deixo aqui meus parabéns  ao José Nello pelo sucesso do programa e ao Secretário Bebeto Haddad pelos projetos desenvolvidos em prol da população da cidade de São Paulo.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Postos de combustíveis estão aumentando os preços para se beneficiar da crise de abastecimento

Por: Riselda Morais
A crise do abastecimento é resultado de protesto contra a restrição de caminhões na Marginal e mais 21 vias entre 4h e 10h e 16h e 22h de segunda a sexta-feira e, aos sábados, das 10h às 14h. 
Os postos de combustíveis estão aumentando os preços para se beneficiar da crise de abastecimento, esse aumento abusivo é crime contra o consumidor. Os gerentes e donos de postos de combustível estão sendo indiciados por crime contra a economia popular. A pena varia de seis meses a dois anos de detenção. Até agora o Procon recebeu 248 denuncias e 18 postos foram indiciados.
No posto de combustível da Rua Alfredo Pujol, em Santana a gasolina comum era vendida a R$ 4,49, a aditivada a R$ 4,99, e o etanol e o diesel a R$ 2,49 depois de indiciados, na quinta-feira, a tabela informava que a gasolina comum custava R$ 2,69; a aditivada, R$ 2,79; o etanol, R$ 1,89; e o diesel, R$ 2,09.
Na Alameda Barão de Limeira, no Centro um gerente foi preso por suspeita de vender gasolina a  preço abusivo. Na terça (6), o combustível custava R$ 2,69, mas na quarta era comercializado a R$ 2,99. O gerente também foi detido por volta das 8h pelo mesmo crime. O preço da gasolina, que era vendida a R$ 2,79, estava R$ 4,49 na manhã da quinta.
Na Rua Amaral Gurgel, na região central: o responsável pela gerência foi preso porque estaria vendendo gasolina, que custava R$ 2,79, a 2,89.
Na Avenida Itaquera, na Zona Leste: o gerente foi detido sob a acusação de aumentar o preço da gasolina de R$ 2,69 para R$ 2,99.
Na Rua Silveira da Nóbrega, na Zona Leste: gerente foi preso porque estaria vendendo gasolina, que custava R$ 2,49, a 2,99.
Na Avenida Senador Teotônio Vilela, na Zona Sul: gerente foi preso suspeito de vender gasolina, que custava R$ 2,49, a 2,89, e álcool, cujo valor era de R$ 1,79, a 1,89.
Na Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, na Zona Norte  o gerente foi preso suspeito de vender gasolina, que custava R$ 2,78, a 2,88, e álcool, o valor era de R$ 1,88, a 1,98.
Na Avenida Aricanduva, na Zona Leste o gerente preso por vender gasolina, que antes custava R$ 3,39, a R$ 3,59.
Na Avenida Interlagos, na Zona Sul o gerente foi preso suspeito de vender gasolina, que custava R$ 2,69, a 2,89, e álcool, o valor era de R$ 1,69, a 1,99.

O consumidor deve denunciar os postos que aumentarem os preços a Delegacia do Consumidor através do telefone 3338-0155 e ao Procon através do número 151.
As vias passíveis de multa de R$ 85,13 para quem transitar sem estar devidamente cadastrado são: Marginal Tietê, em todas as suas denominações, sentido Rod. Castelo Branco, pista local, central e expressa, no trecho compreendido entre a Ponte Aricanduva (excluída a referida ponte) e a Av. Raimundo Pereira de Magalhães;
· Marginal Tietê, em todas as suas denominações, sentido Rod. Ayrton Senna, pista local e central no trecho compreendido entre a Rua Fortunato Ferraz e Ponte Aricanduva (excluída a referida ponte) e exceto pista local, sob Ponte do Tatuapé no trecho compreendido entre as alças ascendente e descendente para a Av. Salim Farah Maluf e pista expressa no trecho compreendido entre o Km 0 (zero) e Ponte Aricanduva (excluída a referida ponte); Av. General Edgar Facó em ambos os sentidos, no trecho compreendido entre Rua da Balsa e Ponte do Piqueri; Av. Ermano Marchetti, sentido Centro, no trecho compreendido entre Ponte do Piqueri e Praça Dr. Pedro Corazza (excluída a referida praça); Av. Ermano Marchetti, sentido Lapa, no trecho compreendido entre a Praça Dr. Pedro Corazza e a Praça Jácomo Zanella (excluídas as referidas praças) e no trecho compreendido entre a Praça. Jácomo Zanella (excluída a referida praça) e Ponte do Piqueri (incluída a referida ponte);
· Avenida Marquês de São Vicente, em ambos os sentidos e toda sua extensão, excluídas as praças Dr. Pedro Corazza, José Vieira de Carvalho Mesquita e Luís Carlos Mesquita; Rua Norma Pieruccini Giannotti, em ambos os sentidos e toda extensão; Rua Sérgio Tomás, em ambos os sentidos e toda extensão; Avenida Pres. Castello Branco, entre Rua Sérgio Tomás e Avenida do Estado; Avenida do Estado, em ambos os sentidos entre Av. Pres. Castello Branco (Marginal Tietê) até Av. Prof. Luiz Inácio de Anhaia Mello; Avenida Prof. Luiz Inácio de Anhaia Mello, sentido Vila Formosa, entre viaduto Grande São Paulo e avenida Salim Farah Maluf; Avenida Prof. Luiz Inácio de Anhaia Mello, sentido Ipiranga, entre rua Domingos Afonso e viaduto Grande São Paulo.

segunda-feira, 5 de março de 2012

A impunidade no Brasil estimula a criminalidade

Por: Riselda Morais   

A impunidade no Brasil não é a única, mas a mais importante causa do aumento da criminalidade no País. Uma vez que os pequenos delitos não resultam em prisão e os crimes hediondos ficam impunes graças às brechas das leis que beneficiam os criminosos; uma vez que não temos prisão perpétua, nem pena de morte, mas temos prisão domiciliar para crimes por motivos torpes, não estaria nosso País estimulando a violência ao invés de combater?
    Se tivéssemos um bem sucedido programa de combate ao crime, toda e qualquer violação da lei, desde os delitos mais leves aos mais graves seriam tratados com igual importância e ao invés de ficar impune teria uma pena com caráter punitivo, exemplificativo e pedagógico para inibir outras transgressões da lei e o aumento da criminalidade.
    Não bastasse a enorme quantidade de recursos legais que provocam uma impunidade generalizada no País, entre eles o agravo de instrumento, agravo interno, agravo retido, apelação, embargo infringente, recurso extraordinário, recurso especial, embargo de divergência, ação rescisória, prescrição do crime, penas alternativas, a morosidade da justiça na qual um processo pode ficar parado por tempo indefinido, cela especial, responder em liberdade, prisão domiciliar, auxílio reclusão - este é ainda pior, um indivíduo comete um crime hediondo e ainda recebe uma graninha por pagar sua dívida com a sociedade - ainda temos as famosas saídas temporárias, vulgarmente conhecidas como “saidinhas” que fazem com que grande número de presos saia da prisão em dias festivos, destes muitos vão para a rua cometer mais crimes e grande parte não volta para a prisão, estes são alguns exemplos entre tantas outras ações que beneficiam quem comete crimes no Brasil.
    Ouvimos sempre e reconhece-se, no entanto, que todos têm direito a defesa e que todos são inocentes até que se prove o contrário, até ai, tudo certo. Entramos no errado, na impunidade a no estímulo a criminalidade quando temos pela frente menores assassinos e inimputáveis que nos expõem a desde os pequenos delitos como pichações, passando por roubo, furto, tráfico de entorpecentes, sequestro, enfim, uma infinidade de diferentes condutas antissociais até aos crimes cruéis e impiedosos e muitas vezes sequer são detidos e quando são, recebem apenas medidas sócio-educativas por ser menor.
    Percebemos assim, que ao observar-se o limite etário do indivíduo não se dá importância a sua conduta criminosa tão pouco ao caráter danoso de suas ações e sua capacidade de entendimento do ato ilícito.
    Se um indivíduo, independente de sua idade, cor ou condição social é capaz de roubar, estuprar, torturar, abusar de crianças, matar, esquartejar, provocar rebeliões e cometer uma infinidade de barbáries sem ter compaixão do próximo então já passou da hora da lei parar de usar a compaixão e ser fria o suficiente para fazer com que cumpram as penas cabíveis a cada delito cometido.
- Até quando o Direito Penal dará pena mínima e continuará encobrindo criminosos?
- Desafogar os presídios transferindo para a sociedade o caos penitenciário do país através da “lei da impunidade” (lei 12.403/11) que colocará nas ruas cerca de 220.000 detentos libertados em massa é uma forma de aumentar a criminalidade?
    A “lei da impunidade” beneficia o criminoso também permitindo a fiança em crimes com pena igual ou inferior a quatro anos, seja de reclusão ou detenção como porte de arma, furto simples e sequestro ficando a prisão reservada somente para crime hediondo.
    Nestes casos o “Estado” ganha com a fiança e deixa de gastar com a prisão mas quem perde mesmo com tudo isto é a sociedade, perde em seu direito de ir, vir e estar em segurança, perde ao saber que todo crime é um crime e não o deixa de ser independente de onde, quando, como, porque aconteceu e há quanto tempo; perde financeiramente, perde ao ver impregnar-se uma cultura violenta de generalizada impunidade, perde por ter que manter o preso com seus impostos sendo que eles deveriam trabalhar obrigatoriamente para manter seus custos. É a certeza da impunidade que leva os infratores a dar risadas no momento da prisão e a voltar a cometer crimes quando voltam para as ruas.
    Quando o Brasil quiser realmente combater a criminalidade, deixará de fazer leis que beneficie os criminosos e tomará medidas punitivas, exemplificativas e educativas no combate a criminalidade!

Nenê de Vila Matilde e Acadêmicos do Tatuapé desfilam no Grupo Especial em 2013


Por: Riselda Morais

Nenê de Vila Matilde, campeã do Grupo de Acesso


Acadêmicos do Tatuapé vice-campeã do Grupo de Acesso sobe para o Grupo Especial
  

 A Nenê de Vila Matilde voltou ao Grupo Especial do Carnaval paulistano merecidamente e com ela a Acadêmicos do Tatuapé. As duas escolas de samba da Zona Leste foram as vencedoras do Grupo de Acesso do carnaval de São Paulo.     O resultado do Grupo de Acesso se deu em clima de festa, ao contrário do resultado do Grupo Especial que não chegou a anunciar as notas do quesito Comissão de Frente porque um integrante da diretoria da Império da Casa Verde invadiu a mesa de apuração e destruiu os envelopes com os votos, a ação de vandalismo teve continuidade com integrantes da Gaviões da Fiel que quebraram grades e atearam fogo em um carro alegórico da Pérola Negra.
    A Nenê de Vila Matilde conquistou o título de Campeã do Grupo de Acesso com o tema Chica Convida - No Palácio da Nenê, a Festa é pra Você, voltou ao Grupo especial com 179,7 pontos.  A tradicional escola da Zona Leste foi a quarta a se apresentar, levou para o Anhembi uma homenagem a cultura dos negros, um enredo sobre Chica da Silva, a escrava brasileira que viveu no século XVII em Minas Gerais, na letra e em uma alegoria a homenagem a Seu Nenê, fundador da escola que faleceu em 2010 mas que foi representado por um busto segurando a bandeira da escola. Completando 60 anos, a Acedêmicos do Tatuapé entra para o Grupo Especial com apenas quatro décimos a menos, somando 179,3 pontos, conquistou a segunda colocação mostrando a trajetória da compositora que começou a escrever letras aos 19 anos, a cantora e ativista em defesa da igualdade racial,  Leci Brandão. A Leandro de Itaquera permaneceu no Grupo de Acesso, ocupando o terceiro lugar com 179,3 apostou em fantasias e carros alegóricos que lembraram o meio ambiente, aves como araras e tucanos e florestas. Um ponto forte do desfile da Leandro de Itaquera foi a ala formada por portadores de deficiência que foi aplaudida pelo público.