Traduzir

Pesquisar

quarta-feira, 31 de julho de 2013

1º Encontro do Grupo “Nós e a Escoliose” de São Paulo

Objetivo  é aproximar pessoas que vivem os mesmos problemas, trocar informações, dividir  histórias, tirar dúvidas e conscientizar sobre a escoliose que é uma doença ainda tratada com preconceito por muitas pessoas.

Riselda Morais


Membros do Grupo Nós e a escoliose esclarecem dúvidas sobre a doença e dividem suas histórias

“Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, mais cedo você trata, mais chances você tem de fugir da cirurgia e mais chances tem de corrigir a coluna”, alerta Dr. Marcus 



Foi realizado no sábado (27/07), em Itaquera, o 1º Encontro do “Grupo Nós e a Escoliose” de São Paulo. O Grupo tem uma página no facebook e já conta com mais de 700 membros, tem como objetivo aproximar pessoas que vivem os mesmos problemas, trocar informações, dividir suas histórias, tirar dúvidas e conscientizar sobre a escoliose que é uma doença ainda tratada com preconceito por muitas pessoas.
O encontro foi organizado por Regiane e Aline que são membros do Grupo. Regiane, 40 anos teve a escoliose diagnosticada há 27 anos já com 41º, mesmo com o tratamento conservador evoluiu para 70º, desenvolveu tendinite e bucite no quadril com um quadro de fortes dores, há 8 meses optou pela intervenção cirúrgica para a correção de escoliose.
 “Encontrar o médico foi muito difícil, encontrava vários Ortopedistas mas eles não eram especializados em escoliose ou em coluna e tinha poucas informações, me sentia completamente insegura, tive muito medo de fazer a cirurgia, tinha medo de morrer, tinha medo de sangrar, tinha medo do que pudesse acontecer, encontrei Dr. Marcus, foi muito importante pra mim fazer a cirurgia com ele“, revela Regiane emocionada. Aline, 24 anos, descobriu a escoliose aos 16 anos, mas devido a diversidade de opiniões médicas acabou deixando a escoliose esquecida por 7 anos, realizou a cirurgia em 2012, com 67º na torácica e 50º na lombar e ficou muito bem depois da cirurgia. 
“Infelizmente muitas pessoas que têm escoliose sofrem preconceitos, então acho que ainda temos muito que conversar, que debater”, afirma Aline.
O encontro contou com o convidado especial, Dr. Marcus Alexandre Mello Santos, médico Ortopedista Cirurgião de Coluna que esclareceu todas as dúvidas dos membros do grupo que compareceram, enviaram perguntas ou deram depoimento em vídeo. 
A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de “S” ou “C”. “É um desvio da coluna no plano frontal acompanhado de uma rotação e de uma gibosidade”, disse Dr. Marcus  que também explicou as origens da escoliose em três grupos:
- O 1º e menor grupo é da escoliose congênita diagnosticada quando tem algum defeito de formação em uma das vértebras e isso forma uma curva. 
- O 2º grupo inclui  cerca de 70% das deformidades, que é a escoliose idiopática da criança, juvenil e do adolescente. “Na medicina, tudo que é idiopático a gente não sabe a origem específica, por que gerou uma curva na coluna da pessoa, então a gente tem que acompanhar de 4 em 4 meses para entender o que está acontecendo, se está aumentando o grau ou não “, explicou Dr. Marcus.
- O 3º grupo é o da Escoliose Neuromuscular, nesse caso o paciente tem uma doença que gera o problema na coluna, pode ser uma distrofia muscular ou Mielomeningocele (Espinha Bífida) por exemplo.
Segundo Dr. Marcus, a gibosidade, ou giba, é formada pela rotação da coluna que gira sobre o próprio eixo, fazendo com que um tórax fique mais alto e o outro mais baixo e tem difícil correção. “Muitas vezes a gente corrige a escoliose, mas não zera a rotação, fica sempre uma deformidade residual da cirurgia, uma giba residual “, esclarece e recomenda atividade física de baixo impacto depois de algum tempo da cirurgia, quando liberado pelo médico: “Atividade física é extremamente importante, necessária porque quanto mais você trabalha a musculatura que fica em volta da coluna mais estabilidade e mais força, vai ter menos sobrecarga em cima das vértebras que não foram operadas“.
Dr. Marcus esclareceu que normalmente e na maioria dos casos, a curva da escoliose é para o lado direito e quando a curva é para a esquerda, é necessário que se faça uma ressonância magnética para detectar alteração na medula, existe alguma fisiopatologia, informou ainda, que só a escoliose acima de 60º pode comprometer a respiração por que o pulmão fica pressionado e não consegue expandir, com o tempo, também compromete o coração, por isto a indicação cirúrgica é médica e não estética, mas segundo ele, a intervenção cirúrgica é a última opção, deve vir primeiro o tratamento conservador com RPG, natação, atividade física, fisioterapia, uso de colete e observar a evolução, uma vez que quem determina a indicação cirúrgica é o grau e a maturidade óssea.
Quanto aos riscos de uma cirurgia para correção de escoliose, Dr. Marcus explicou que “em todo procedimento cirúrgico existe risco, até unha encravada e a medicina não é matemática, cada organismo responde de uma forma”, disse e esclareceu: “A gente se cerca de todos os procedimentos para segurança, faz exames pré operatórios, opera em um bom hospital que tenha baixo índice de infecção hospitalar, usa um bom material de última geração,  deixa bolsa de sangue reservada, o pós operatório é na UTI, toma os cuidados com a ferida cirúrgica para evitar infecção, entre outros procedimentos; mas existe o risco de uma perda de sangue significativa, do paciente precisar de uma transfusão sanguínea, o risco com relação a anestesia, risco neurológico, estamos tratando da coluna e tem uma medula ali no meio”, enfatizou. Logo depois, Dr. Marcus ressaltou a importância da presença do médico neurofisiologista realizando o monitoramento da cirurgia: “Se tem alguma coisa levando risco ao paciente, se surge um sangramento intenso, uma questão neurológica ou com o material é detectado pelo médico monitor, nesse caso é prudente o médico abortar, fechar, esperar o paciente se recuperar e realizar a cirurgia em um segundo ou até terceiro tempo, é a segurança do paciente em primeiro lugar “, tranquiliza.
A incidência de escoliose é maior  em meninas, segundo estudos, para cada 7 meninas portadoras de escoliose tem 1 menino, é difícil de detectar porque não dói e nas pessoas mais gordinhas geralmente só é percebida quando o grau já está elevado. 
Enquanto no adulto a escoliose cresce 0,5 graus ao ano, o que parece pouco mas somados a todos os anos de vida chega-se a uma grande deformidade, no adolescente com escoliose idiopática, a deformidade da coluna aumenta de acordo com o crescimento dele, assim explica Dr. Marcus: “É nessa fase de crescimento rápido do adolescente que a escoliose cresce, que ela aparece“ e deu como exemplo as pioneiras da escoliose “a menina cresce de uma maneira linear até chegar a fase de pré puberdade, a primeira menstruação é uma divisão. Cresce de maneira rápida até chegar a primeira menstruação, depois desacelera o crescimento; até dois ou três anos na pós menstruação existe crescimento, é nessa fase que se faz a maioria dos diagnósticos de escoliose “.
Em casa ou na escola, pais ou professores de Educação Física, podem fazer um teste simples, o Teste de Adams, que detecta a escoliose nas crianças e adolescentes, basta seguir as seguintes orientações passadas pelo Ortopedista:
- Peça para a criança ou adolescente soltar os braços, juntar os pés, colocar o queixo no peito e vá inclinando para a frente, olhe para a coluna de frente e observe se todos os ossos da coluna estão alinhados, se estiverem, ótimo, está tudo bem, mas se houver desalinhamento leve a um  Ortopedista de coluna para que seja feito um RX e diagnosticado o problema.
Este teste simples e feito por qualquer pessoa é muito importante, segundo o médico, “quanto mais cedo for feito o diagnóstico, mais cedo você trata, mais chances você tem de fugir da cirurgia e mais chances tem de corrigir a coluna”, alertou.
Dr. Marcus Alexandre Mello Santos é formado pela Faculdade de Medicina de Catanduva, formou-se Médico Ortopedista em São Paulo onde se especializou em coluna, trabalha na AACD há 11 anos e realiza cirurgia de coluna há 13 anos.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude: simplicidade, carisma e ensinamentos!

Riselda Morais
Papa emociona multidão em Papa Móvel aberto

Papa Francisco beija imagem de Nossa Srª da Conceição Aparecida

Papa aceita chimarrão de fiel


Papa pede licença para tocar delicadamente  em nossos corações

Papa abraça, beija e abençoa as crianças
   Com palavras e atitudes simples o Papa Francisco conquistou o coração dos brasileiros e de jovens de mais de 180 países que participaram da 28ª Jornada Mundial da Juventude, transformando a Praia de Copacabana no Rio de Janeiro em um verdadeiro mar de gente, com mais de 3,5 milhões de pessoas em um silêncio contrito e em oração.
A vinda do Papa Francisco ao Brasil marca uma história de mudanças, quando ainda dentro do avião que o trazia o Papa postou em seu twitter: “Dentro de algumas horas chego ao Brasil, e já sinto o coração cheio de alegria por em breve estar celebrando com vocês a 28ª JMJ.”, falou direto aos jovens tanto na página em Português quanto em Espanhol, por meio do mais novo meio de comunicação, as redes sociais. 
A confiança depositada pelo Papa nos fiéis é tão grande quanto sua simplicidade, escolheu um carro simples que segundo ele, qualquer um pode ter, baixou os vidros durante o percurso e foi além, escolheu um papa móvel aberto para estar mais próximo das pessoas, cumprimentando-as, tocando-as, abraçando-as, beijando-as e abençoando-as, especialmente as crianças e mais confiante ainda, aceitou e tomou chimarrão oferecido pelos fiéis durante os percursos. Em seu primeiro discurso o papa falou de sua missão, o motivo principal de sua vinda a JMJ e falou aos brasileiros: “Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro, é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente esta porta. Peço licença para entrar e transcorrer esta semana com vocês. Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo! Venho em seu Nome, para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: ‘A paz de Cristo esteja com vocês!’ O Papa falou da valorização dos jovens, para que tenham espaço, fundamentos sólidos, que lutem pelo que querem e contra as injustiças, para que lhes sejam transmitidos valores: “A juventude é a janela pela qual o futuro entra no mundo”, diz.
Em Aparecida emocionou-se diante da “Mãe” e ganhou uma imagem a qual apresentou ao público e a beijou. “Quanta alegria me dá vir à casa da Mãe de cada brasileiro, o Santuário de Nossa Senhora Aparecida.”, disse. Após o término da celebração da Missa, o Papa saudou a multidão do lado de fora da Basílica, a abençoou, pediu que orassem por ele e anunciou sua vinda em 2017, por ocasião dos 300 anos da pesca milagrosa da imagem no Rio Paraíba do Sul, que ficou conhecida como Nossa Senhora Aparecida. “Les pido un favor, un jeitinho, recen por mí, recen por mí, necessito. Que Dios los bendiga. Que nuestra Señora de Aparecida los cuide. Y hasta 2017 que voy a volver…. Adiós!” “
Na comunidade de Varginha falou de justiça social, mostrou bom humor ao falar da expressão popular: “Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida. Como diz o ditado, sempre se pode colocar mais água no feijão” e lhes disse que não estão sozinhos: “O Senhor está ao lado de vocês e conduz cada um pela mão. Olhe para Ele nos momentos de maior dificuldade.”  visitou uma casa, de Dnª Maria Lucia, na qual haviam mais de 20 pessoas e declarou: “Como eu queria ir em cada bairro do Brasil, bater na porta da casa de cada um, pedir um copo de água fresca, um cafezinho, mas não uma cachaça “, durante visita a comunidade de Varginha, “Em cada irmão e irmã em dificuldade, nós abraçamos a carne sofredora de Cristo”, acrescentou.
O Papa Francisco prega a proximidade da Igreja com os fiéis comparando-a a uma mãe que coloca o filho no colo, beija, abraça, protege: “As paróquias, os colégios, são para sair e se não saem se convertem em uma ONG e a Igreja não pode ser uma ONG!”, defende que os párocos usem carros simples, vivam com simplicidade: “Quero uma Igreja pobre para os pobres.”, e alerta que lobbies não são bons: “(...) devemos distinguir entre o fato de que uma pessoa é gay e fazer um lobby gay. (...) Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, pra julgá-la?.” 
Outro ponto que o Papa mostra que tem cabeça aberta e visão de futuro além de ser um grande ser humano é quanto as mães que são tratadas como solteira: “Não existe mãe solteira, existe mãe... Pensai numa mãe solteira que vai à igreja, à paróquia e diz ao secretário: Quero batizar o meu menino. E quem a acolhe diz-lhe: Não, tu não podes porque não está casada. Atentemos que esta mãe que teve coragem de continuar com uma gravidez o que é que encontra? Uma porta fechada. Isto não é zelo! Afasta as pessoas do Senhor! Não abre as portas! E assim quando nós seguimos este caminho e esta atitude, não estamos fazendo o bem as pessoas, ao Povo de Deus. Jesus instituiu 7 sacramentos e nós com esta atitude instituímos o oitavo: o sacramento da alfândega pastoral. (...) Quem se aproxima da Igreja deve encontrar portas abertas e não fiscais da fé!”, diz. A pedofilia é outro assunto em que o Papa tem uma visão clara e diferenciada: “A pedofilia não está relacionada ao celibato. Se um padre é pedófilo, ele era antes de entrar para a igreja. Mas, quando uma denúncia ocorre, jamais se deve fazer vista grossa. Não se pode estar em uma posição de poder e destruir a vida de outra pessoa. Não acredito em manter um espírito corporativista para evitar danos à imagem da Igreja”, disse Papa Francisco em sua página do Facebook.  Durante discurso o Papa falou aos jovens e aos idosos sobre a cultura descartável vivida e lhes disse para não se deixar excluir: “Algumas vezes, fomos injustos com os mais idosos, que deixamos de lado, como se não tivessem nada para nos dar. É verdade que os jovens são o futuro de um povo porque têm energia, mas não são o único futuro. Os jovens são o futuro porque são jovens e, os idosos, porque têm a sabedoria da vida, (...) Eles pertencem a uma família, a um país e a uma fé. Não devemos isolá-los, especialmente da sociedade”, afirmou e também falou contra a violência nos esportes: “Que o esporte seja sempre instrumento de intercâmbio e crescimento e nunca de violência nem de ódio.”
Durante a Via Sacra o Papa Francisco nos disse para ter fé, ter esperança e não viver com tristeza e lembrou que os problemas têm solução: “O primeiro nome dado ao Brasil foi justamente o de “Terra de Santa Cruz”. A cruz de Cristo foi plantada não só na praia, há mais de cinco séculos, mas também na história, no coração e na vida do povo brasileiro e não só: o Cristo sofredor, sentimo-lo próximo, como um de nós que compartilha o nosso caminho até o final. Não há cruz, pequena ou grande, da nossa vida que o Senhor não venha compartilhar conosco”, falou da importância dos avós e lembrou o Documento de Aparecida: “Crianças e anciãos constroem o futuro dos povos; as crianças porque levarão por adiante a história, os anciãos porque transmitem a experiência e a sabedoria de suas vidas” (DAp 447). “
A Missa de Envio foi realizada no domingo, foi de festas e de despedidas, como sempre o percurso foi feito em clima de encontro de velhos amigos entre os fiéis cercando-o de carinho e emoções e o Papa sorrindo, mandando beijos, abraçando a todos que se aproximaram. Durante a Missa, o Papa mais uma vez pediu a participação dos jovens: “A fé é uma chama que se faz tanto mais viva quanto mais compartilhada, repartida, para que todos possam conhecer, amar e professar que Jesus Cristo é o senhor da vida e da história”, declara Francisco que guardou para o final a revelação do local da próxima jornada: “Queridos jovens, temos encontro marcado na próxima Jornada Mundial da Juventude, no ano de 2016, em Cracóvia, na Polônia. Pela intercessão materna de Maria, peçamos a luz do Espírito Santo sobre o caminho que nos levará a essa nova etapa da jubilosa celebração da fé e do amor de Cristo”, anunciou. 
Não há dúvidas, o Papa Francisco agrada aos jovens e a todas as idades, independente de ser católico ou não e deixou mensagens que serão repassadas, aprendidas e respeitadas para sempre.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Músico nordestino Dominguinhos morre, aos 72 anos, em São Paulo

Riselda Morais

Dominguinhos foi um dos músicos que melhor representou o sertão nordestino.
           O cantor, instrumentista e compositor José Domingo de Morais, o Dominguinhos, faleceu nesta terça-feira (23/07), as 18:00 hs no hospital Sírio -Libanês em São Paulo, onde estava internado desde 13 de janeiro. 
Há mais de seis anos, Dominguinhos lutava contra um câncer de pulmão. Em  21 de dezembro Dominguinhos foi internado no CTI - Centro de Terapia Intensiva do Hospital Santa Joana no Recife, em estado grave, com pneumonia e arritmia cardíaca, era diabético, foi transferido para o hospital em São Paulo em janeiro onde veio a óbito, por decorrência de complicações infecciosas e cardíacas, segundo informou o boletim médico divulgado pelo Sírio-Libanês.
O velório está sendo realizado na Câmara Municipal de São Paulo, depois será realizado o traslado do corpo para o Recife, onde haverá outro velório e onde será enterrado.
Natural de  Garanhus, José Domingos de Morais, mais conhecido como Dominguinhos, nasceu em no dia 12 de fevereiro de 1941.
      Teve uma infância humilde:  “Um dia minha mãe pegou minha sanfona, colocou num saco e me levou para a feira, apontou um canto e disse toca aí, no chapéu começou a chover moedas, nesse dia minha mãe fez uma grande feira e desde esse dia não passamos mais dificuldade”, contava Dominguinhos.
Instrumentista, cantor e compositor, começou a carreira aos sete anos, no trio de irmãos “Os Três Pinguins”, Em uma das apresentações, o grupo tocou para Luiz Gonzaga, que encantado com a habilidade do menino resolveu apadrinhá-lo e em 1954, foi para o Rio de Janeiro onde ganhou uma sanfona de Gonzagão e formou com Miudinho e Borborema o Trio Nordestino. Em 1957,  casou-se com sua primeira mulher, Janete, com quem teve dois filhos - Mauro e Madeleine.  Em 1967, Pedro Sertanejo levou Dominguinhos para gravar discos de forró como solista. Um ano depois, ele conheceu em uma turnê a cantora Lucinete Ferreira, mais conhecida como Anastácia, que tornou-se sua segunda mulher, além de parceira musical em mais de duas centenas de canções de sucesso, como Eu Só Quero Um Xodó, Tenho Sede, Saudade Matadeira e Forró em Petrolina.
No pós-tropicalismo, firmou parcerias com Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Maria Bethânia. Com Chico Buarque escreveu Tantas Palavras e Xote da Navegação. Apesar de tantos nomes já famosos, foi com Nando Cordel que fez uma de suas canções mais famosas: De Volta pro Aconchego, que viria a se popularizar na voz de Elba Ramalho. Na década de 1970, conheceu em um show de Nara Leão a dançarina Guadalupe Mendonça, que se tornaria sua terceira e última mulher. O casal teve uma filha, a cantora Liv Moraes. Em 2002, Dominguinhos se consagrou como vencedor do Grammy Latino, com o álbum Chegando de Mansinho. Quatro anos depois, levou o Prêmio Tim como Melhor Cantor Regional. Em 2010, ganhou o Prêmio Shell de Música. O último álbum do cantor, Yamandu + Dominguinhos, foi lançado em 2008.
Discografia:
1964 - Fim de Festa
1965 - Cheinho de Molho
1966 - 13 de Dezembro
1973 - Lamento de Caboclo
1973 - Tudo Azul
1973 - Festa no Sertão
1974 - Dominguinhos e Seu Acordeon
1975 -  Forró de Dominguinhos
1976 - Domingo, Menino Dominguinhos
1977 - Oi, Lá Vou Eu
1978 - Oxente Dominguinhos
1979 - Após Tá Certo
1980 - Quem me Levará Sou Eu
1981 - Querubim
1982 - A Maravilhosa Música Brasileira
1982 - Simplicidade
1982 - Dominguinhos e Sua Sanfona
1983 - Festejo e Alegria
1985 - Isso Aqui Tá Bom Demais
1986 - Gostoso Demais
1987 - Seu Domingos
1988 - É Isso Aí! Simples Como a Vida
1989 - Veredas Nordestinas
1990 - Aqui Tá Ficando Bom
1991 - Dominguinhos é Brasil
1992 - Garanhuns
1993 - O Trinado do Trovão
1994 - Choro Chorado
1994 - Nas Quebradas do Sertão
1995 - Dominguinhos é Tradição
1996 - Pé de Poeira
1997 - Dominguinhos & Convidados Cantam Luiz Gonzaga
1998 - Nas Costas do Brasil
1999 - Você Vai Ver o Que é Bom
2001 - Dominguinhos Ao Vivo
2001 - Lembrando de Você
2002 - Chegando de Mansinho
2004 - Cada un Belisca un Pouco
2005 - Elba Ramalho & Dominguinhos
2006 - Conterrâneos
2007 - Canteiro
2008 - Yamandu + Dominguinhos.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Cerca de 15 mil pessoas passaram pelo 30º Festival Kodomo-no-sono

Riselda Morais


Diretor Presidente  da Kodomo-no-sono, José Taniguti e a Diretora do 30º Festival Liene Araki

Apresentações de danças

Diretor Presidente José Taniguti  durante entrevista concedida a Riselda Morais


Escola de Samba Leandro de Itaquera

Cerca de 15 mil pessoas passaram pelo Festival

40 barracas com comidas típicas



Cerca de 15 mil pessoas prestigiaram o 30º Festival Kodomo-no-sono, realizado no primeiro fim de semana (dias 06 e 07) do mês de julho. A Associação Pró-Excepcionais Kodomo-no-sono é uma entidade não governamental que cuida de cerca de 80 pessoas excepcionais, homens e mulheres, sendo a maioria no sistema de internato, no dia-a-dia eles participam de atividades como terapia ocupacional e fazem cerâmica.
Segundo a Diretora do  30º Festival, Liene Mayumi Araki todos os internos são maiores de 18 anos, uma vez que  a Lei não permite a internação de menor de 18 junto com maior e como a entidade já tem 55 anos, aquele que entrou criança hoje já é um adulto entrando para a terceira idade.
O 30º Festival Kodomo-no-sono contou com cerca de 1.000 voluntários por dia, somando-se 2.000 no fim de semana, cerca de 40 barracas na praça de alimentação oferecendo Yakissoba, Yakitori, Udon, Futomaki, Gyoza, Tempurá, Sashimi, Okonomiyaki, paella, batata frita, pastel, pernil, hot dog, espeto e doces, entre outros pratos da culinária japonesa e brasileira, a parte dos Bazares da Feira Beneficente contou com 30 quiosques  com  artigos de cerâmica, artesanatos, roupas, flores, frutas, verduras, entre outros e na área de recreação 10 quiosques com brinquedos para as crianças. Durante o fim de semana os visitantes puderam apreciar shows com Edson Saito e banda, Mariko Nakahira, Joe Hirata, Edgar Ishida, Ricardo Nakase, dança do ventre, apresentação da Escola de Samba Leandro de Itaquera, entre outras atrações.
Segundo o Diretor Presidente da Associação Pró-Excepcionais Kodomo-no-sono, José Taniguti todo o trabalho é de voluntariado, todos os diretores da entidade trabalham voluntariamente e dedicam-se para o bem e para o sustento dos internos.
O Festival é o maior evento para levantar custos e angariar recursos para a entidade, custeada por pessoas da sociedade, pessoa física e pessoa jurídica que ajudam durante o ano. “O Bazar é o nosso maior evento, nós fazemos quatro eventos durante o ano e este é o carro chefe de todos os eventos. Todo 1º fim de semana do mês de julho nós realizamos, nos dois dias temos um fluxo de público na ordem de 10 a 15 mil pessoas“, diz o presidente José Taniguti que agradece a todos que prestigiam e a todos que contribuem para que o festival seja realizado: “Para nós, é uma alegria muito grande poder contar com a presença desse público maravilhoso, somo muito gratos a ele, porque deixam aqui, um dinheiro substancial que permite a sustentação da entidade por pelos menos, dois a três meses e assim, a gente consegue continuar tendo o incentivo de batalhar por uma causa que é nobre“, afirma.
Para quem não pode participar do 30º Festival Kodomo-no-sono mas deseja contribuir de alguma forma, segundo a Diretora Liene, a Instituição aceita quase todos os tipos de doação: “Nós aceitamos dinheiro, móveis, utensílios, alimentos e retiramos a doação, para doar a pessoa pode entrar em contato pelo telefone 2521-6437 e falar com Walter“, informa Liene.

terça-feira, 2 de julho de 2013

UNIFESP inaugura Centro Médico de Excelência a FIFA na Disciplina de Medicina Esportiva e Atividade Física do Departamento de Ortopedia e Traumatologia

Centro está aberto a todos os times, nos diferentes níveis, com ênfase especial aos esportes de alto rendimento.

Riselda Morais



José Auricchio Junior - Secr. Esportes do Estado de São Paulo, Antonio Carlos Lopes - Diretor da Escola Paulista de Medicina, Soraya Smaile - Reitora da Universidade Federal de São Paulo, Moisés Cohen - Coordenador do Centro FIFA-UNIFESP, Prof. Dr. Jiri Dvorak, Chefe do Escritório Médico da Fifa e Presidente do F-Mark


Autoridades assistem vídeo ao lado de Campeões como Clodoaldo, Basílio, José Elias, Nenê e Zetti.


Foi realizada nesta segunda-feira (01/07), no Anfiteatro Leitão da Cunha, sob a apresentação de Fabiana Scaranzi, a Cerimônia de Abertura Oficial do Centro Médico de Excelência da FIFA na Disciplina de Medicina Esportiva e Atividade Física do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Escola Paulista de Medicina - UNIFESP. 
Aos 80 anos de vida, a Escola recebeu creditação da FIFA com um dos seus Centros, o credenciamento foi concedido por 5 anos, depois de rigoroso processo seletivo, a instituição  ainda terá que apresentar relatório anualmente. 
O objetivo do F-MARK é o desenvolvimento de uma base científica para proteger a saúde dos jogadores e promover o futebol como atividade de lazer saudável. Com estrutura completa, contando com ambulatórios, centros cirúrgicos e reabilitação, no centro, os atletas, jogadores e suas equipes vão encontrar uma equipe de especialistas de diferentes ramos para cuidar de sua saúde e garantir seu bem estar. 
A reitora da UNIFESP, Soraya Smaile enfatizou a importância do Campus, que é o maior no Estado em número de alunos na graduação, programas de pós-graduação e de extensão. “Nós temos aqui hoje, a honra de sediar este Centro de Excelência, que certamente trará bastante conhecimento para nossa Universidade, nos propiciará desenvolver a pesquisa e o conhecimento por meio dessa parceria tão prestigiosa“, afirmou Soraya.
O Coordenador do Centro FIFA-UNIFESP, Chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Moisés Cohen, lembrou o incrível poder que o futebol tem de transformar beneficamente a vida das pessoas e da sociedade, voltou a origem em 26 de outubro de 1863, na Inglaterra quando o futebol foi criado e aos poucos foi se tornando organizado, até que em 21 de maio de 1904 foi fundada a FIFA, hoje, a entidade máxima do futebol mundial. 
“No momento em que a violência tornou-se banal na sociedade em geral, o esporte cumpre uma importante função de inclusão social ao tirar crianças e adolescentes das ruas, ajuda na prevenção e no combate as drogas e a violência, contribuindo para a promoção da saúde e da própria segurança pública“, enfatizou Dr. Moisés.
Segundo o Dr. Moisés, a prática do futebol melhora a autoestima e o rendimento laboral, além da inclusão social, o futebol ainda proporciona inúmeros benefícios a saúde humana, atuando na prevenção de doenças cardíacas, diabetes, obesidade e várias outras doenças. 
“Não há dúvida que o futebol pode ser adotado como forma de melhorar a convivência na sociedade e na promoção da paz social“, enfatiza.
Durante palestra o Prof. Dr. Jiri Dvorak, Chefe do Escritório Médico da Fifa e Presidente do F-MARK apresentou campanhas realizadas com atletas brasileiros e internacionais, dados sobre programas desenvolvidos e estudos sobre incidência de lesões nos atletas, temperaturas de gramados e condições de jogos e ofereceu simbolicamente uma maleta que contém um kit que poderá ser oferecido para cada uma das equipes durante os jogos por um custo de 3 mil dólares cada.
O Secretário Estadual de Esportes, José Auricchio Junior, falou sobre os excelentes resultados obtidos pelo Centro de Medicina de Excelência a FIFA do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da USP, que já suporta o novo sistema, incentivado pelo Governo do Estado e supervisionado pelo Dr. Moisés e referiu-se e cada atleta que passa pelo Centro como cidadão. 
”No momento não se discute tanto o legado que a Copa, enfim, a prática que os grandes eventos esportivos vão deixar ao nosso País, absolutamente valoroso no ponto de vista de qualidade que se traz a sociedade paulista e sociedade brasileira, do investimento do retorno direto do cidadão”, diz Auricchio.
Compuseram a mesa o Prof. Dr. Jiri Dvorak, Chefe do Escritório Médico da Fifa e Presidente do F-Mark; Soraya Smaile - Reitora da Universidade Federal de São Paulo; Antonio Carlos Lopes - Diretor da Escola Paulista de Medicina; Moisés Cohen - Coordenador do Centro FIFA-UNIFESP, Chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia; Celso Jatene - Secretário de Esportes da Cidade de São Paulo e José Auricchio Junior - Secretário de Esportes do Estado de São Paulo.
Também estiveram presente o Prof. Rubens Belfort - Presidente da SPDM - Academia Brasileira de Oftalmologia; Prof. Flávio Faloca - Presidente da Sociedade Brasileira  de Ortopedia e Traumatologia; Prof. Marcos Esner Musafir- Presidente do Instituto Nacional de Traumato e Ortopedia; Federação Paulista de Futebol  - Dr. Jorge Pagura e Dr. Jaime Franco. Vereadores: Gilberto Natalini; Marco Aurélio Cunha e Orlando Silva. Campeões: Clodoaldo, Basílio, José Elias, Nenê e Zetti. Coordenadores do Centro de Excelência da UNIFESP - Dr. André Padrinelli; Dr. Arnaldo Ernandes. Coordenador do Centro de Excelência FIFA de Brasília - Dr. Paulo Lobo e o Diretor do Núcleo de Auto Rendimento Dr. Irineu Loturco além de jornalistas de rádios, TVs e Jornais.