Traduzir

Pesquisar

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Uma questão de ética, caráter e moral. Quando o prejuízo moral é maior que o prejuízo financeiro!

Riselda Morais

Saqueadores de lojas durante greve da PM em Espírito Santo
      O país acompanhou assustado os recentes acontecimentos no estado do Espírito Santo quando uma manifestação aparentemente pacífica transformou-se em tumulto, saques, vandalismo e quebra-quebra, trazendo à tona um desejo latente de banditismo, corrupção e impunidade. Em apenas dez dias de greve da Polícia Militar e de parte da Polícia Civil, o prédio dos dois poderes foi apedrejado, atearam fogo no Tribunal de Justiça e em ônibus, saquearam comércios, supermercados, lojas, bancos, escolas, mataram 143 pessoas e deixaram parte da população presa em seus lares, impedidos de trabalhar, estudar, passear, enfim, sem o livre direito de ir e vir.
Algumas pessoas que saquearam lojas e levaram produtos para casa, ao ver suas imagens na internet e nos telejornais decidiram ir a delegacia e devolver o produto. Aí fica a pergunta: E se ninguém tivesse filmado tudo bem? Seria correto ficar com o produto do saqueamento?
É lamentável que o caos ético e moral, que a falta de caráter se revele por causa de uma greve da polícia. Então o cidadão só é honesto porque a polícia é seu instrumento de controle? É a polícia a sua regra de conduta? É a polícia que te impede de cometer crimes e não sua conduta moral?
 É assustador como ao pensar-se que todos os crimes ficariam impunes muitas pessoas se dispuseram a roubar, depredar, matar, formando uma sociedade de bandidos soltos em uma cidade presa. Em apenas dez dias o número de homicídios teve um crescimento de 300%, mais de  200 lojas foram saqueadas causando um prejuízo de mais de 30 milhões em roubos e levando a cidade a ter um prejuízo de mais de 300 milhões nos dias que o comércio ficou fechado. Mas o maior prejuízo não foi o financeiro, mas sim o prejuízo ético, moral, de caráter, este sim, foi imensurável.
Como a qualidade inerente ao indivíduo, a sua forma de agir, a sua índole, a sua livre vontade, o seu caráter pode estar associado a uma câmera filmando ou ao poder de polícia?
A honestidade, assim como o bom caráter, a ética e a moral são princípios fundamentais para se viver em sociedade, independentemente do nível de educação ou da classe social. Por isto, deve ser inerente ao cidadão não roubar e não cometer crimes mesmo que só ele saiba. Porque cabe a cada um ter o seu conjunto de valores, o discernimento do certo e do errado; do  que ele pode ou não pode fazer; do que deve ou não deve fazer. 
É o conjunto das qualidades ou dos defeitos de um indivíduo que determinam a sua boa ou má conduta. O seu bom ou mau caráter. A sua boa ou má índole. 
   A coerência de suas ações são determinadas pela firmeza de seus valores. E apesar de ter citado o caos que se instalou em Espírito Santo como exemplo, o alerta é para todo o Brasil e para todos os indivíduos. Observemos em nosso dia a dia se só respeitamos o semáforo ou o limite de velocidade quando tem radar por perto ou se o faremos como um hábito. Se temos o desejo de justiça social, o equilíbrio entre as pessoas ou se na primeira oportunidade estamos ofendendo, agredindo, falando mal pelas costas, prejudicando alguém.  Observemos se em tudo culpamos os políticos e se na primeira oportunidade nos aproveitamos de alguma situação. Se culpamos o prefeito pelo alagamento na rua mas jogamos lixo pela janela do carro ou na margem dos córregos, nas calçadas. 
   Observemo-nos diariamente, pois são os nossos atos, o nosso modo de ser que reflete o nosso caráter.
Um indivíduo honesto não vai mentir, roubar, enganar, fraudar e nem matar porque sua formação moral é sólida e incontestável, esteja ela sozinha ou na multidão, no anonimato ou diante das câmeras, protegida pelo poder de segurança pública ou não. Porque sua vida é regida pelas regras morais existentes, é transparente e exige transparência dos outros. 
   Enquanto o indivíduo desonesto é percebido até no trânsito, sempre dando uma de espertinho, passando pela direita, parando em fila dupla, furando o farol vermelho, jogando lixo pela janela do carro, cheio de malandragem, agindo com desrespeito e preconceito com o próximo, porque não possui firmeza de princípios ou moral. 
  O valor moral é também o respeito a vida do próprio indivíduo e a vida do seu próximo. Está nas mãos da sociedade melhorar o valor moral, a educação, a política pública, a violência, emprego. 
A construção de ideais de ética e moral é passado de geração para geração, de pais para filhos e quando uma dessas gerações falha, transmite a inversão de valores que serão repassados até que um indivíduo perceba e faça a correção. Mas temos percebido  que a inversão de valores tem se proliferado na sociedade atual e a distinção entre o certo e o errado está cada vez mais rara. Muitas pessoas estão esquecendo o bom censo, estão sendo vencidas pelo egoísmo e, ao invés de somar um ao outro, estão trocando o “ser” pelo “ter” e pior, a qualquer custo, sem escrúpulos. Diante das pequenas adversidades, dezenas de indivíduos passam a agir da forma mais primitiva, criminosa e repugnante comportando-se como se fosse uma vantagem ou estivessem fazendo bonito. Quando na verdade é assustador e vergonhoso quando as pessoas passam a agir de forma violenta, cruel, desumana, sem valor moral e sem ética.  Respeitemos ao próximo, sejamos honestos, corajosos, defendamos  a vida, vivemos em sociedade e nossos atos refletem em todos a nossa volta.

Carnaval - poetisa Riselda Morais



Quando o grito do intérprete 
na avenida ecoar, 
soar a bateria, o batuque estrondar 
Entre nessa folia e comece a sambar

Ponha-se a sambar e cantar
Que a escola vai entrar
libere sua energia
O carnaval está no ar

Deixa rolar a emoção
deixa o coração falar
que entre a comissão
de frente a se apresentar

Que se levante o povão
e dance até o sol raiar
carnaval é diversão
não dá para contrariar

Com muito samba no pé
a passista vai passar
Mestre sala e porta-bandeira
É para se ver e admirar

Com as mais lindas fantasias
no sambódromo a desfilar
repletos em alegrias
os sambistas vão estar

Ao passar a bateria
Componentes vão recuar
Os carros, a alegoria
Idéias estão a mostrar

Alas em todas as cores 
cores vivas a brilhar
noite de muitos amores
e caminhos a trilhar

Milhares de componentes
com um sonho a realizar
muita garra e muita fé
para o título conquistar

Se o desfile da escola
no tempo certo acabar
é motivo de alegria
justo seja quem julgar!

Crise econômica pode levar 3,6 milhões de brasileiros da zona urbana à extrema pobreza, estima o Banco Mundial

Riselda Morais

Milhares de pessoas moram nas margens dos córregos na capital paulista

          Segundo estudo realizado pelo Banco Mundial sobre o impacto de recessão sobre o nível de renda do brasileiro, até o final deste ano, cerca de 3,6 milhões de brasileiros da área urbana poderão passar a viver abaixo da linha de pobreza.
O estudo considerou abaixo da linha de pobreza pessoas que vivem com menos de R$ 140,00 por mês e estimou uma queda de 1% na economia entre o último semestre de 2016 e o  primeiro semestre de 2017. Em um cenário mais otimista, considerando que a economia encolha 0,5% nestes dois semestres, o número de pessoas que serão jogados de volta a extrema pobreza será de 2,5 milhões de pessoas.
Segundo o estudo do Banco Mundial o aumento da pobreza na zona rural será menor do que nas áreas urbanas, devido ao fato que as taxas de vulnerabilidade no campo já são elevadas.
Bolsa Família
Para o Banco Mundial o Programa Bolsa Família poderá fazer frente a crise e recomenda sua expansão.
Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário atualmente o Bolsa Família tem 13,8 milhões de famílias cadastradas, o equivalente a quase 50 milhões de pessoas que recebem um valor médio de R$ 176 por mês.
No cenário mais otimista da projeção do Banco Mundial para os novos pobres, 810 mil famílias passariam a depender do benefício e no cenário mais pessimista 1,6 milhões de brasileiros passariam a depender do programa de combate a fome e a pobreza do Governo Federal. “A profundidade e duração da atual crise econômica no Brasil cria uma oportunidade para expandir o papel do Bolsa Família, que passará de um programa redistributivo eficaz para um verdadeiro programa de rede de proteção flexível o suficiente para expandir a cobertura aos domicílios de ‘novos pobres’ gerados pela crise”, diz o estudo.
Segundo as recomendações do Banco Mundial, o programa Bolsa Família que é citado como “uma das maiores redes de proteção social do mundo criado pelo Brasil” precisará crescer até o final deste ano de 4,73% a 6,9% acima da inflação para conseguir combater o aumento da extrema pobreza. Em termos nominais, neste cenário de encolhimento da economia de 0,5% e 1%,  o orçamento do programa precisará subir de R$ 26,4 bilhões para R$ 30,41 bilhões e no caso de um novo encolhimento econômico precisaria passar para R$ 31,04 bilhões.
O estudo destaca “O ajuste fiscal que vem sendo implementado no Brasil pode ser alcançado praticamente sem onerar ou onerando muito pouco a população pobre”, destacou o Banco Mundial. “A despeito das limitações no espaço fiscal a médio prazo, existe uma grande margem para ampliar o orçamento para os elementos mais progressivos da política social, remanejando verbas de programas de benefícios e melhorando a eficiência do gasto público.

O Banco Mundial observa que desde 2015, o nível de redução da pobreza e da desigualdade social estagnou e cita o período em que o Brasil viveu progresso econômico e social. “Entre 2003 e 2014, o Brasil viveu uma fase de progresso econômico e social em que mais de 29 milhões de pessoas saíram da pobreza e a desigualdade diminuiu expressivamente (o coeficiente de Gini, medida de desigualdade de distribuição de renda, caiu 6,6% no mesmo período, de 58,1 para 51,5). O nível de renda dos 40% mais pobres da população aumentou, em média, 7,1% (em termos reais) entre 2003 e 2014, em comparação ao crescimento de renda de 4,4% observado na população geral. No entanto, desde 2015 o ritmo de redução da pobreza e da desigualdade parece ter estagnado”, diz o Banco Mundial.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Clube Vila Manchester recebe 5ª edição do movimento “Calçada Nova - Mutirão Mario Covas”

Prefeito João Dória participa dos trabalhos e se emociona com roda de capoeira adaptada

Riselda Morais


Calçada Nova - Mutirão Mário Covas no Clube Manchester

Prefeito João Dória cimenta parte da calçada

         O prefeito João Doria participou na manhã do domingo (05/02) dos serviços de reforma de cerca de 100 metros da calçada do Clube Municipal Vicente Ítalo Feola na Vila Manchester.
       Doria participou dos trabalhos, cimentando e finalizando um trecho da reforma da calçada, retirou entulho e plantou uma muda de pau brasil. “É fazendo assim que a gente vai melhorar a cidade, não só nas calçadas, mas nos parques plantando árvores, resgatando, melhorando e ampliando a atividade esportiva, fico muito feliz de estar podendo fazer isso ao lado de secretários, vereadores, do prefeito regional e daqueles que representam a comunidade, associações e instituições.
          Segundo o Prefeito Regional Aricanduva/Carrão Luiz Carlos Frigerio  outras ações de zeladoria e limpeza, corte do mato e podas de árvores estão sendo realizadas simultaneamente e  a calçada do clube está sendo regularizada eliminando desníveis e rachaduras que foram provocadas pelas raízes das árvores que, sem espaço levantaram a calçada, com a reforma o canteiro foi ampliado para dar mais espaço para que elas cresçam. “Hoje está sendo feita a calçada aqui, porque ela está muito irregular, por causa das raizes das árvores que levantaram o piso, nas outras partes a calçada está boa, nesse trecho estamos regularizando porque aqui passa muita gente, idosos, crianças e pessoas com deficiência”, esclareceu Frigerio. 

       Durante a ação moradores da região reivindicaram o Hospital de Vila Carrão.  “O hospital de Vila Carrão é compromisso nosso, amanhã terei uma reunião com o Secretário da Saúde Wilson Pollara com a determinação, para que ele avalie a conclusão do hospital, nossa intenção é na nossa gestão estar com o hospital concluído e operando”, afirmou Doria.
No clube, Doria acompanhou atividades como partidas de gatebol, basquete, boxe e muai thai, mas foi durante uma roda de capoeira adaptada, com crianças com deficiência atendidas pelo professor voluntário Wellington Aveso que o prefeito mostrou-se emocionado. 




“Eu estou gostando de ver o trabalho que vocês estão fazendo” disse João e observou “um trabalho voluntário, de capoeira, um ritmo afro-brasileiro e ver a alegria dessas crianças e adolescentes”.  Doria lembrou o esforço dos voluntários e dos pais para proporcionarem estes momentos de alegria as crianças especiais com amor :“Parabenizo pelos gestos, atitudes e solidariedade, eu fiquei emocionado, nós temos que incentivar mais, apoiar mais. O amor é sempre a melhor energia, valeu meu dia nesses 20 minutos aqui com vocês”, declarou Doria.
O objetivo do programa “Calçada 
Nova - Mutirão Mário Covas” é promover a população, a recuperação das calçadas e a ampliação da acessibilidade na cidade de São Paulo.

Participaram da ação o Prefeito João Doria; o vice-prefeito Bruno Covas, o Secretário de Esportes e Lazer, Jorge Damião; Prefeito Regional Anricanduva/Carrão Luiz Carlos Frigerio; o Chefe de gabinete Lucas Tavares; a Deputada Federal Keiko Ota; o Vereador Masataka Ota; o Vereador Gilson Barreto e líderes comunitário.

Brasil fechou 2016 com queda na telefonia fixa e móvel

Riselda Morais

      O Brasil fechou o ano de 2016 com queda de mais de 13 milhões de linhas de telefonia móvel e com 173 mil linhas de telefone fixo canceladas.
Na telefonia móvel o ano terminou com 244.066.759 de linhas móveis em operação, queda de 5,33% se comparado a 2015 e redução de 13.747.515 de linhas.
     Já a telefonia fixa teve uma redução de 173.777, o país encerrou o ano com 42.006.021 linhas de telefone fixo. 
     Quando comparado a 2015, a redução foi de 1.831.933 linhas ou queda de 4,18%.
Na telefonia móvel os grupos que apresentaram decréscimo nos últimos doze meses foi Oi (12,32%), América Móvil - Claro S.A (8,8%) e Telecom Italia - Tim (4,25%).
Três grupos de telefonia fixa apresentaram crescimento no número de linhas ativas. 
     A CTBC teve um aumento de 28.283 (2,98%);  a BT teve um incremento de 240 (5,58%);  e a Sercomtel teve um acréscimo de 19.270 (7,95%). 
Já as concessionárias – Oi, Telefonica, Embratel, Algar e Sercomtel - fecharam novembro de 2016 com 24.873.286 de linhas (59,21%). E as autorizadas, operavam 17.132.735 de linhas (40,79%).
Dos serviços de telecomunicações a Banda larga fixa foi o único serviço que apresentou crescimento no Brasil no ano passado, segundo informações da Anatel, os 1.104.483 novos contratos representaram um crescimento de 4,33% no serviço de transmissão de dados. Os estados do Amapá, Maranhão e Rondônia apresentaram crescimento acima de 10%. No entanto, de novembro de 2016 a dezembro de 2016, o serviço apresentou queda de 0,58% no número de contratos no país.  
A Tim (Telecom Italia) liderou a ampliação na base de assinantes ano passado com 29,04%, seguida pela Sky com 17,46% e a prestadora Cabo com 14,38% de crescimento. 
Destaque para os pequenos grupos que, com menos de 50 mil contratos, apresentaram crescimento de 18,05% de assinantes. De novembro a dezembro de 2016, as prestadoras Tim, Cabo e Algar registraram o maior crescimento no número relativo de usuários.  
A tecnologia DSL, que utiliza a estrutura da telefonia convencional para o transporte de dados, continuou sendo a mais usada pelos brasileiros com 13,38 milhões de usuários, seguida pelo cabo com 8,58 milhões e a fibra ótica com 1,73 milhão. 

Durante o ano passado, a fibra registrou o principal crescimento, 33,61% da base de usuários.  De novembro para dezembro também manteve a liderança com adição de 2,01%.

São Paulo é a primeira cidade onde os Correios vão operar na área de telefonia móvel

Riselda Morais

   O projeto piloto Correios Celular será lançado em fevereiro em São Paulo e depois será implantado no Distrito Federal e em Belo Horizonte mas a meta da empresa é operar em todos os estados brasileiros até o final deste ano.
Os correios vão oferecer a princípio serviços simples  como planos pré-pagos com pacotes baratos, chips e recargas, mas estuda a viabilidade da oferta de planos pós-pagos a partir do próximo ano.
O projeto Correios Celular é resultado de parceria  com a EUTV, prestadora de Serviço Móvel Pessoal (SMP) que será responsável pela infraestrutura de suporte às telecomunicações.