Traduzir

Pesquisar

terça-feira, 28 de julho de 2015

Capital paulista tem média de 21 multas de trânsito, aplicadas, por minuto

Previsão para 2015 é que a receita proveniente de infrações multadas chegue a R$ 1,2 bilhão

Por: Riselda Morais

Sinalização confusa na alça de acesso é uma verdadeira pegadinha
        O aumento no número de radares, escondidos em viadutos ou visíveis aos motoristas, placas apagadas ou sinalizações confusas, tanto nas Marginais Tietê e Pinheiros, como na Av. Alcântara Machado (Radial Leste), Av. Aricanduva, Av. 23 de Maio e tantas outras avenidas e ruas, somados a falta de investimento em educação no trânsito para os motoristas, a imprudência dos mesmos e o aumento na fiscalização, está elevando cada dia mais o número de infrações flagradas pelos equipamentos,  chegando a 21 multas aplicadas por minuto na capital paulista. 
 Segundo dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), no primeiro trimestre de 2015, foram registradas 2,7 milhões de irregularidades, sendo a infração mais flagrada, com 844 mil casos, “ultrapassagem do limite de velocidade”. Este número deve aumentar, e muito, com a redução do limite de velocidade nas principais vias para 50 km/h ou 60 km/h.  Em segundo lugar vem a “invasão de faixas exclusivas” com 416 mil infrações, seguidos de “desrespeito ao rodízio” com  392 mil infrações e “regras de estacionamento“ com 280 mil multas. A arrecadação no primeiro semestre de 2015 foi de R$ 525 milhões e pode chegar a R$ 1,2 bi até o final do ano.
   Em 2014, os motoristas da capital paulista sofreram 10.608.695 milhões de multas, o que resultou em uma arrecadação para a Prefeitura, segundo anunciou a Secretaria de Finanças, de  R$ 899  milhões, uma receita recorde e 5,6% superior ao ano de 2013 que teve 10,1 milhão de infrações. Ainda em 2014, as multas por excesso de velocidade foram as campeãs, somando 3,1 milhão de infrações, mas quem teve aumento expressivo, de 69,5% foram as multas para quem transitou em faixas exclusivas em corredores de ônibus que  somaram 1,2 milhão de infrações em 2014, contra 713,5 em 2013. Este aumento é proporcional ao aumento da malha que já somam 480,3 km  de faixa exclusiva e 121,3 km de corredores em 2015, segundo a SMT.  Entre os radares, o campeão em multas está na Zona Norte, instalado na alça de acesso à ponte das Bandeiras, na Marginal Tietê sentido Castelo Branco, que aplicou 375.021 mil multas no período de um ano, sendo 370.286, por “conversão proibida à direita” entre 6h e 15h. Custando a cada motorista uma multa de R$ 127,69 e 5 pontos na carteira, este radar fez uma arrecadação estimada de 47,2 milhões em 2014.   
    Com uma frota de mais de 8 milhões de veículos e mais de 1 milhão de motocicletas, disputando os cerca de 17 mil km de vias pavimentadas, a capital paulista teve  no ano passado 23.547 acidentes com vítimas e provocou 1.249 mortes no trânsito. 
Segundo a PMSP, a arrecadação com multas é investida em segurança e operação de trânsito, mesmo assim, do nada o trânsito vira caos, uma breve chuva deixa bairros inteiros sem semáforos, um carro quebrado trava o trânsito e o estresse diário leva os motoristas a um buzinaço desnecessário. Há motoristas que pisam fundo ao ver o sinal amarelo e os que avançam o sinal vermelho, os que colam na traseira do veículo da frente e os que fazem as conversões proibidas, tornando o trânsito cada dia mais perigoso. Nas rodovias paulistas o desrespeito ao limite de velocidade não é diferente.  Segundo o Detran, circulam dentro do Estado mais de 22 milhões e 500 mil veículos e assim como a frota, a ocorrência de infrações e multas também aumentou, são em média 243 mil multas por mês e quase 2 milhões de multas em 2014.
   Não basta leis e normas, precisamos nos educar para o trânsito; mudar a postura como motoristas e cidadãos. Mudando de atitude e comportamento, estamos cuidando melhor de nós mesmos, de nossa família e de nosso veículo. Ao sermos mais cuidadosos e mais gentis no trânsito; ao respeitar os limites de velocidade; ao guardar a distância de segurança do veículo da frente; ao usar o cinto de segurança; ao evitar abusos; ao não dirigir depois de ingerir bebida alcoólica; estamos sendo prudentes, agindo de forma responsável, protegendo a própria vida, o bolso e evitando tragédias provocadas por imprudência, evitando incidentes violentos, traumas e mortes precoces que transformam de forma triste a vida de muitas famílias. Ser consciente, é guiar com responsabilidade, respeitar a vida e valorizar a cidadania, estes valores são mais importantes que o custo com as multas de trânsito e os pontos na CNH.