Traduzir

Pesquisar

quarta-feira, 31 de março de 2010

Kelly Imóveis inaugura nova sede




A empresa Kelly Imóveis inaugurou sua nova sede com 400 m², sito a Av. Inconfidência Mineira, nº 2.081 - Vila Antonieta.
A Kelly imóveis foi fundada em 09 de setembro de 1989 pelo bacharel em Direito Dr. Jaziel Martins Alfonso, tem como carro chefe a venda de imóveis, mas realiza também serviços de administração e documentação de imóveis, conta com Departamento Jurídico próprio, além do casal de bacharéis Dra. Eliana e Dr. Martins, proprietários, conta ainda com a colaboração da Dra. Neide e Dr. Fred para assessoria jurídica.
Segundo Dr. Martins a meta da Kelly Imóveis é trabalhar e continuar tendo sucesso com honestidade.
Em se tratando do mercado imobiliário, Dr. Martins mostra-se preocupado com a classe média baixa, com as dificuldades que as pessoas têm em adquirir um imóvel próprio e alerta que o governo precisa tomar medidas sérias para reverter o quadro atual, ele é enfático ao afirmar: “Vejo o mercado imobiliário em franca ascensão, só que com o decorrer do tempo está ficando um pouco distante da classe média baixa, se o Governo realmente não tomar sérias providencias, está ficando muito caro, hoje, adquirir um terreno”.
A visão do Dr. Martins em relação ao futuro para bairros como Vila Matilde, Jardim Aricanduva e adjacentes é que o déficit habitacional venha a se aproximar do que existe hoje no bairro do Tatuapé. O Bairro do Tatuapé é o que mais cresce na Zona Leste de São Paulo, é onde as construtoras mais investem e já chegou a ter maior desenvolvimento anual que o Bairro do Morumbi.
Quanto ao crescimento da Kelly Imóveis vale o bordão, “Por trás de um grande homem, há sempre uma grande mulher”.
Hoje é uma empresa familiar e o fundador adere a responsabilidade a sua esposa. “É uma empresa familiar, aqui tenho três filhos, minha esposa, um genro e três corretores colaboradores, um deles está comigo há 15 anos. A nossa luta inicial, foi eu e minha esposa Eliana, a quem agradeço bastante, a força e o apoio que ela tem dado, sem ela, talvez nós não tivéssemos chegado ao ponto onde (a Kelly Imóveis) chegou, que tem muita competência”.

26ª Caminhada da Ressurreição deve levar 120 mil fiéis às ruas da Zona Leste

No primeiro sábado de abril, dia 3, aproximadamente 120 mil pessoas participarão da 26ª Caminhada da Ressurreição, organizada pela Diocese de São Miguel Paulista em parceria com as Subprefeituras de São Miguel, da Penha e de Ermelino Matarazzo.
Os fiéis percorrerão 13 quilômetros, do bairro da Penha até São Miguel, na zona leste, para celebrar a ressurreição de Jesus Cristo. A caminhada é feita em 7 horas.
O início está programado para a noite do sábado, às 23 horas, na Basílica Nossa Senhora da Penha, na Rua Santo Afonso, 199.
As pessoas seguirão caminhando durante toda a madrugada, passando por ruas e avenidas, e só devem chegar ao destino final, na Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, no bairro de São Miguel, por volta das 6 horas da manhã do domingo. No local, onde está localizada a histórica Capela de São Miguel, será celebrada uma missa pelo bispo Dom Manuel Parrado Carral, prevista para terminar às 9 horas.
O subprefeito de São Miguel, Milton Persoli, participará do evento pela primeira vez. “Como católico, reconheço que é um momento para reflexão. À frente da Subprefeitura, asseguro que nos preocupamos com todos os detalhes da organização para garantir disciplina e segurança”, afirmou.
A caminhada é realizada no período noturno para relembrar a ressurreição de Cristo durante a Vigília Pascal.
O subprefeito de Ermelino Matarazzo, Eduardo Camargo Afonso, lembra que esse evento mexe com as pessoas com a fé abalada. “A Caminhada da Ressurreição pega as ovelhas desgarradas. Muita gente, muitos jovens procuram um caminho melhor.”, revela o subprefeito, que pelo quinto ano seguido participará da caminhada.
No bloco de condução da Caminhada da Ressurreição fiéis carregarão uma cruz de 10 metros de altura por 5 de largura. A cruz foi construída especialmente para esse evento e exige o esforço de 20 pessoas para conduzi-la. Homens e mulheres fazem o ato de carregar a cruz uma demonstração de fé, simbolizando promessa ou agradecimento.
Três trios elétricos, dois carros de som e bandas acompanharão o trajeto para tocar músicas religiosas para louvar, alegrar e animar a fé dos devotos.
Segundo o Padre Geraldo Antonio Rodrigues, pároco da Catedral de São Miguel, a Caminhada da Ressurreição ultrapassa os limites geográficos e da fé. “É uma grande expressão de fé. A fé no sentido mais amplo, a que todos procuram encontrar. Liga a humanidade ao divino.”, explica.
O bairro da Penha receberá o maior trecho da caminhada. O subprefeito Cássio Freire Loschiavo destaca a grandiosidade do evento. “Já no momento da concentração percebemos a alegria e animação das pessoas. Digo que é uma caminhada de fé e alegria”, lembra o subprefeito.
Os preparativos para a Caminhada da Ressurreição envolvem as Subprefeituras de São Miguel, da Penha e de Ermelino Matarazzo. Polícia Militar, Guarda Civil Metropolitana, CET, Bombeiros, Sabesp, Eletropaulo, SPTrans e SPTuris também estão envolvidas na caminhada. A equipe de apoio mobiliza mais de mil pessoas.
Equipes da Fiscalização das Subprefeituras de São Miguel, Penha e Ermelino Matarazzo acompanharão para impedir o comércio ilegal.
A grande adesão da sociedade ao longo de mais de duas décadas da caminhada permitiu que o evento entrasse para o calendário oficial da Cidade de São Paulo.
A Lei Municipal 14.565, de 23 de outubro de 2007, autoriza a realização da Caminhada da Ressurreição no domingo seguinte à Sexta-Feira da Paixão.
Este ano com a motivação: “Cristo Ressuscitado eu renovado!”, e o tema: “26 anos com Cristo é D+”, propõe à juventude uma vida de fé que é a vivência dos valores cristãos, da plena cidadania e do respeito à natureza. É um viver sem vícios, sem pecados, sem alienação, sem ferir a vida humana e nem agredir o meio ambiente.
ITINERÁRIO
A saída está programada para as 23 horas do sábado, dia 3 de abril, na Basílica Nossa Senhora da Penha, rua Santo Afonso, 199. Depois, seguirão pela Av.Amador Bueno da Veiga até a Praça Frei Albino Arese, onde ocorrerá uma parada de 20 minutos. A caminhada prosseguirá pela Av.São Miguel até a Catedral de São Miguel, na Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra. Os fiéis se concentrarão diante da Capela de São Miguel, construída em 1622 e Patrimônio Histórico. 26ª Caminhada da Ressurreição Data: 03 de abril, sábado. Horário: das 23h às 9h do domingo, 04 de abril.

Tuberculose ainda é uma das doenças que mais mata no Brasil

Identificada em 1882, há 228 anos, pelo bacteriologista alemão Robert Koch, a tuberculose é uma das doenças que mais mata no Brasil, são cerca de 80 mil novos casos e cinco mil mortes ao ano, ela atinge 1/3 da população mundial ou 1,7 milhão de pessoas por ano.
A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um microrganismo, o “Bacilo de Koch”, cientificamente conhecido como Mycobacterium tuberculosis.
Existem vários tipos de tuberculose: pulmonar, meníngea (meninge - membrana que envolve o cérebro), miliar, óssea, renal, cutânea, genital e outras. A forma mais frequente e mais contagiosa é a pulmonar.
Segundo especialistas, uma pessoa com a forma pulmonar da tuberculose, se não for tratada pode infectar de 10 a 15 pessoas em um período de um ano, já que a transmissão é direta, de pessoa para pessoa via gotículas de saliva contendo o agente infeccioso.
No caso da pulmonar, a via aérea é a principal forma de transmissão da doença , a bactéria espalha-se pelo ar quando é eliminada através da tosse, da fala e do espirro, a contaminação é favorecida em ambientes fechados. A maioria dos casos ocorre em pacientes do sexo masculino e em idade produtiva, as maiores vítimas são das classes menos favorecidas, por isto é apontada como um “mal social”, sua proliferação está intimamente ligada às condições precárias de vida.
As principais causas do contágio são falta de saneamento básico, baixa qualidade nutricional na alimentação e falta de informação sobre a doença, fatores que aumentam a chance de infecção pelo bacilo incluem além da desnutrição, o alcoolismo, tabagismo e doenças imunossupressoras, AIDS por exemplo. Os Estados brasileiros com maior incidência são Rio de Janeiro, Amazonas e Ceará.
Alguns dos sintomas da tuberculose são: No início do quadro, tosse seca e contínua; com a evolução do quadro, tosse com catarro, podendo ser com pus ou sangue; febre baixa, geralmente no final da tarde; perda de apetite; suores noturnos; perda de peso; fraqueza, cansaço, prostração; palidez; já em casos graves: dificuldade para respirar; dor no peito; tosse com eliminação de sangue.
O diagnóstico da tuberculose só é feito por um médico, utilizando-se de exames clínicos e complementares como a radiografia de tórax e baciloscopia que consiste em procurar os bacilos da tuberculose no catarro. A tuberculose tem cura e o tratamento dura em média 6 meses. As crianças são imunizadas nos primeiros meses de vidas, através da vacina BCG.

Ceagesp funciona na Páscoa

Entre os dias 2 e 4 de abril, durante o feriado de Páscoa, o consumidor poderá realizar suas compras normalmente na Feira de Flores e nos Varejões da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), maior central de abastecimento da América Latina.
Na sexta-feira da Paixão (2 de abril), mais de 1.100 produtores comercializarão flores, plantas, gramas, mudas e artigos de decoração na maior Feira de Flores do País, situada no Entreposto Terminal de São Paulo. Já no sábado de Aleluia e no domingo de Páscoa será possível adquirir pescados, frutas, verduras e legumes.
Quem quiser antecipar as compras de pescado da Semana Santa, a companhia promoverá a 5ª Santa Feira do Peixe nos dias 30, 31 de março e 1º de abril, no Pátio do Pescado.
O consumidor encontrará uma grande variedade de peixes frescos, direto do atacado, de qualidade e a preços especiais. Também serão comercializados peixes secos, como bacalhau, legumes e temperos em geral.
Apenas a comercialização no setor atacadista do pescado tem seu horário antecipado para 1 às 5 horas nos dias 29 de março até 2 de abril. Na semana seguinte o setor não funcionará. Os horários voltam ao normal no dia 9 de abril, das 2 às 6 horas.
VAREJO: · Varejões aos sábados, das 6 às 12h30, e domingos, das 7 às 13 horas;
· Varejão Noturno às quartas-feiras, das 16 às 22 horas (portão 7);
· Feira de Flores as terças e sextas-feiras, das 5 às 10h30.
· 5ª Santa Feira do Peixe 30/03 (terça-feira), 31/03 (quarta-feira) e 1º/ 04 quinta-feira), das 16 às 21 horas (na Av. Das Nações Unidas, entrada pelo Portão 13).
ATACADO:
· Legumes: de segunda a sábado, das 7 às 17 horas ; · Frutas: de segunda a sábado, das 6 às 18 horas;
· Verduras: segundas, quartas e quintas, das 8 às 18 horas ; terças e sextas, das 12h30 às 18 horas; sábados, das 14 às 17 horas; · Diversos (batata, cebola, coco seco, ovos): de segunda a sábado, das 8 às 19 horas; · Abóboras: de segunda a sábado, das 8 às 17 horas ;· Pescado: de segunda a sexta, das 1 às 5 horas;
· Flores: as segundas e quintas-feiras, das 3 às 14 horas.

Crescimento da criminalidade e o auxílio-reclusão

O crescimento da criminalidade no Brasil, em especial em cidades superpopulosas, como é o caso da cidade de São Paulo, tem vários fatores com dimensões e continuidade de existência que revelam o quadro estrutural da sociedade, ou seja, que revelam a fome, a desigualdade social e a exclusão social. No entanto, há crimes que são cometidos em que os criminosos não se enquadram nesta estrutura, há crimes cometidos por pessoas que desconhecem a realidade dos menos favorecidos, são cometidos por pessoas de classe média, classe média alta de forma fria, cruel, que revelam a maldade humana, jamais a consequência de uma triste realidade.
Para coibir a criminalidade, há a necessidade de buscar as causas determinantes dos crimes, porque mesmo que seja aumentado o período de internação de um menor infrator nos estabelecimentos socio-educativos ou aumente as penas dos imputáveis, não vai diminuir a criminalidade aqui fora, mesmo porque, os criminosos estão sendo mantidos em sistemas de carceragens que os mantêm ociosos e ainda há benefícios que são verdadeiros incentivos a criminalidade como é o caso do auxílio-reclusão, das regalias permitidas a detentos como permitir que façam até churrascos nas celas, entrada de celulares que os permitem comandar o crime organizado de dentro da cadeia e em alguns lugares até entrada de drogas.
A sociedade fica indignada, os valores estão invertidos e a população sofre as consequências, é comum ouvir o cidadão desabafar: - hoje o fora da lei não se esconde e até divulga fotos com armas em sites de relacionamentos, mas o policial deixou de voltar para sua casa fardado, com a vestimenta da polícia da qual sentia orgulho; - hoje, o cidadão é quem vive atrás das grades colocadas em portas e janelas na intenção de sentirem-se seguros; - quem trabalha e pode comprar um tênis de marca ou o último lançamento de um celular é quem tem medo de sair com ele na rua, sabe que pode perder a vida simplesmente por estar usando um objeto que comprou, no entanto, o indivíduo que assalta, rouba o tênis, o celular, faz uso do objeto normalmente e descaradamente.
Para que houvesse uma mudança neste cenário criminoso, o preso deveria ser mantido com seu próprio trabalho, ele deveria trabalhar para se custear na prisão e não ser mantido com custos mais altos para o Estado, para o cidadão de bem, que o valor que o Estado gasta em educação para uma criança.
O contraste dos direitos não pára por aí.
Quando um indivíduo mata um cidadão, a família da vítima não tem o apoio dos Direitos Humanos, mas o presidiário tem; a família da vítima, muitas vezes, não recebe nenhum centavo do governo para os dependentes da vitima, mas a família do detento recebe o auxílio-reclusão.
O auxílio-reclusão é um benefício concedido aos dependentes legais de quem foi recolhido a prisão, durante o período em que estiver preso sob regime fechado ou semi-aberto.
O auxílio não é concedido aos dependentes do detento que estiver em livramento condicional ou cumprindo pena em regime semi-aberto. Equipara-se à condição de recolhido à prisão a situação do menor infrator entre 16 e 18 anos que tenha sido internado em estabelecimento educacional ou congênere, sob custódia do Juizado da Infância e da Juventude.
Em cumprimento a Portaria nº 350, de 30/12/2009, do INSS o valor da bolsa para os dependentes do presidiário segurado é de R$ 798,30. Este valor é único para todos os dependentes, não aumentando de acordo com a quantidade de filhos, mesmo assim, é muito superior ao salário mínimo que uma diarista consegue ganhar, por mês, para sustentar os filhos órfãos do cidadão que foi vítima da violência causada pelo indivíduo detido, por exemplo.
Uma vez concedido o benefício, os dependentes (filhos ou irmãos) só precisam se apresentar à Previdência Social, de três em três meses levando atestado emitido pelo órgão competente que o indivíduo continua preso, está recolhido à prisão.
O auxílio instituído há 50 anos, pelo extinto Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Marítimos (IAPM) e posteriormente pelo também extinto Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Bancários (IAPB), e depois incluído na Lei Orgânica da Previdência Social – LOPS (Lei nº 3.807, de 26 de agosto de 1960) para dependentes de presos de baixa renda foi mantido na Constituição Federal de 1988. Segundo o Boletim Estatístico da Previdência Social (Beps), o INSS pagou na folha de janeiro de 2010, o montante de R$ 15.587.580,00 para um total de 26.490 benefícios auxílio-reclusão com valor médio de R$ 588,43.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Kassab e Alckmin assinam credenciamento para a instalação do Parque Tecnológico São Paulo na Zona Leste(Por: Riselda Morais)

Vista geral do conjunto cultural e de convenções



O prefeito Gilberto Kassab e o secretário estadual de desenvolvimento, Geraldo Alckmin assinaram nesta segunda-feira (29/03) no auditório do 7º andar da PMSP, o credenciamento do Parque Tecnológico de São Paulo ao Sistema Paulista de Parques Tecnológicos (SPTec)।
Um Parque Tecnológico com unidades do Senai, Fatec, Etec, Centro de Convenções, Incubadoras de empresas, Pavilhão de Exposições, Laboratórios, Área de Serviços e alimentação, além de edifício comercial multiuso será construido em uma área de aproximadamente 250 mil metros quadrados, em frente a estação Itaquera do Metro.
Além da participação da EACH/USP - Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, IMT - Instituto Mauá de Tecnologia e Centro Universitário da FEI o projeto tem o apoio de entidades empresariais interessadas em inovações tecnológicas como Abimaq, Abinee, Fiesp/Decompec, Abes e Sinditêxtil.
O Parque Tecnológico da Zona Leste tem o objetivo de criar condições para o desenvolvimento tecnológico na região e em toda a cidade de São Paulo, ampliar a interação entre as universidades brasileiras, os institutos de pesquisas, entre os órgãos públicos e o setor privado, assegurar o desenvolvimento das indústrias intensivas em conhecimento e fomentar o surgimento de novas empresas de base tecnológica. Também faz parte dos objetivos da criação do Parque Tecnológico na Zona Leste oferecer assistência tecnológica, fortalecer o mercado interno, incrementar o universo de empresas capacitadas para inovação tecnológica e incentivar o desenvolvimento tecnológico competitivo.
Para o secretário de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, Marcos Cintra, o projeto do Parque Tecnológico da Zona Leste é ambicioso devido a pujança do município e pela transformação de São Paulo em uma cidade inteligente (Smart City). “O futuro da cidade de São Paulo está atrelado à sua capacidade de atrair investimento, e, por conseguinte, gerar empregos em setores intensivos em conhecimento. Por isso, o Parque irá melhorar a competitividade com maior capacitação das empresas”, explica Cintra. “A implantação do Parque Tecnológico reforça os objetivos da criação de ambiente propício à geração de empregos e de negócios, a ampliação da qualificação da mão de obra e a promoção da descentralização das atividades produtivos, tal qual definido na Agenda 2012- Programa de Metas da Cidade de São Paulo”, completa o secretário.
O Parque Tecnológico faz parte do projeto da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho de desenvolvimento da Zona Leste cujo objetivo é promover e fomentar o desenvolvimento da região, atrair investimentos com vistas à geração de renda e criação de empregos, aumentar a copetitividade dos agentes econômicos instalados na cidade e reorganizar o transporte de cargas com destino a capital paulista. Além da implantação do Parque Tecnológico da Zona Leste o projeto prevê também a implantação da Plataforma Logística, Pólo Institucional de Itaquera onde serão instaladas as escolas técnicas e profissionalizantes e requalificação do Pólo Industrial de Itaquera.
Intensificar a oferta de vagas para o mercado de trabalho, fortalecer a formação de mão-de-obra especializada para capacitar trabalhadores, atrair investimentos, gerar renda e criar empregos faz parte das metas do projeto.
As indústrias, estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços que se instalarem na Zona Leste poderão receber uma série de benefícios municipais em contrapartida aos investimentos realizados. A Prefeitura estuda a redução, pelo prazo de 10 anos, do IPTU em 50%, do ISS em 60%, do ITBI em 50% e a concessão de Certificados de Incentivos ao Desenvolvimento (CDI), que poderão ser utilizados para o pagamento de ISS, IPTU e para aquisição de Bilhete Único aos funcionários.

sábado, 27 de março de 2010

Casal Nardoni é condenado pela morte de Isabela (Por: Riselda Morais)

     O julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá teve duração de cinco dias, causou muita comoção, parou o Brasil e finalmente chegou ao veredicto, por volta das 0h40m à sentença foi proferida: Na madrugada deste sábado, (27/03) o casal Nardoni foi condenado pela morte de Isabela Nardoni, filha do réu e enteada da ré, assassinada brutalmente aos 5 anos de idade. Há dois anos, em 29 de março de 2008, o casal agrediu, estrangulou, asfixiou e jogou a pequena Isabela do sexto andar do edifício London na Zona Norte de São Paulo.


O juiz Maurício Fossen definiu a pena de Anna Carolina Jatobá em 26 anos e oito meses e de Alexandre Nardoni em 31 anos, um mês e dez dias em regime fechado, ele pegou pena maior por ter praticado o crime contra a filha. O casal foi condenado também, a oito meses de prisão em regime semiaberto por fraude processual. Os réus ouviram a sentença algemados, no Fórum Santana e não poderão recorrer em liberdade. A madrasta de Isabela chorou quando ouviu a sentença e Alexandre apenas baixou a cabeça quando o juiz aumentou sua pena. Ele manteve-se inquieto, mexendo nos óculos e respirando fundo, enquanto sua irmã e seu pai não expressaram nenhuma reação.

Durante o julgamento, a defesa dos réus tentou provar a existência de uma terceira pessoa no apartamento do edifício London, que teria agredido Isabela, cortado a tela de proteção e jogado a menina pela janela. No entanto, o advogado Roberto Podval, nem os réus, explicaram quem seria a terceira pessoa, quem teria praticado o homicídio. O advogado alegou apenas, que faltavam provas concretas para ligar o casal ao crime.

A versão da defesa do casal foi derrubada com dados técnicos, como o horário dos telefonemas e do GPS do carro do réu. Com a cronologia de horários do carro entrando na garagem do edifício e dos telefonemas realizados pelo casal, o promotor Francisco Cembranelli, afirmou que seria impossível o casal não estar no apartamento no momento do crime e que em menos de 1 minuto seria impossível Alexandre Nardoni entrar no apartamento, andar pelos quartos e constatar através da janela que sua filha estava caída, sem esbarrar na tal terceira pessoa.

A tentativa fracassada de jogar a culpa em uma terceira pessoa teve inicio na noite do crime, quando Alexandre disse a polícia para encontrar o ladrão que havia invadido o apartamento e jogado Isabela pela janela. Segundo as investigações, ele estava nervoso no jardim do edifício London e a todo o momento falava que a polícia deveria encontrar o ladrão.

Após a condenação o casal Nardoni voltou às penitenciarias de Tremembé em que estavam antes, chegaram por volta das 3h da manhã deste sábado.

Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabela, chorou ao saber da condenação do casal Nardoni pela morte de Isabela. Ela recebeu a noticia em uma mensagem de celular enviada pela assistente de acusação.

O Sr. Masataka Ota, pai de Ives Ota, acompanhou de perto a luta de Ana Carolina para que se fizesse justiça pela morte da filha Isabela. Depois da condenação do casal Nardoni, ele desabafou com a foto do filho Ives Ota, sequestrado e assassinado aos 8 anos em 1997: "O que não pode ser feito pelo meu filho, foi feito por ela", disse emocionado o Sr. Ota.

O casal de comerciantes Masataka Ota e Keiko Ota estiveram presentes em todos os dias do julgamento em solidariedade a mãe de Isabela. "A solidariedade é muito importante, por que a gente sabe o que é a dor de perder um filho, uma dor tão grande que só sentindo, não dá para explicar. Cada vez que a gente quer que a mãe da Isabela fique forte, apóia, fica do lado dela, essa dor vai saindo, hoje ela tá enfrentando o júri, é pessoa chave para acusar o casal Nardoni, ela tá preparada para isso aí', afirmou Masataka no primeiro dia do julgamento.

O promotor Francisco Cembranelli concedeu entrevista coletiva após a condenação dos réus e declarou que procurou manter a serenidade para que o júri fosse de alto nível devido à repercussão que teve o caso por causa de Isabela, mas que a verdade, é que a prova incriminava os acusados e ela não podia ser desprezada pelo conselho de sentença.

Quanto à reação das pessoas com o caso Isabela ele declarou: "As pessoas acompanharam, se emocionaram, isso daí serviu como incentivo para o desenvolvimento do meu trabalho, serei eternamente grato pelo que as pessoas acabaram demonstrando", disse Cembranelli.

Ele declarou também que acredita ser útil para a sociedade e que este resultado o incentiva a continuar. Para ele o ponto mais difícil neste processo é que o caso não tinha testemunhas presenciais, tendo que reconstruir a história com outras perícias, outros elementos, mas o resultado do trabalho feito mostrou que o resultado de excelência não foi alcançado a toa.

Segundo Cembranelli a maior dificuldade foi contar passo-a-passo toda essa historia, esse episódio que fez com que o jurado apesar de cansado e desgastado com uma longa sessão, tivesse uma compreensão bastante precisa do que aconteceu e pode julgar de maneira eficiente.

Quanto à perícia ele declarou que o trabalho da perícia científica foi bastante relevante, que eles se esforçaram bastante, muitos peritos foram injustiçados nesses dois anos de processo, muito criticados, mas a excelência do trabalho foi vista e hoje se tem um resultado bastante satisfatório. Quanto à pena dos réus, ele acredita que não haverá modificação.



segunda-feira, 22 de março de 2010

Julgamento do casal Nardoni

  Ser vitima de violência é uma sequela que nunca mais será revertida, não importa o que aconteça ela não voltará e a dor da perda para quem ficou jamais passará. A pequena Isabela Nardoni foi vitima de uma cruel violência com apenas 5 anos de idade, quando em 29 de março de 2008 foi atirada pela janela do apartamento do casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, que se tornaram principais suspeitos do crime. 
A mãe de Isabela, a bancária Ana Carolina Oliveira, vitima da perda da filha, sempre acreditou na culpa do casal, nunca desistiu de lutar para que justiça seja feita, é por justiça que ela direcionou todas as forças que lhe restaram e é por justiça que todos os brasileiros esperam do julgamento que começa nesta tarde de segunda-feira (22/03) e pode durar até 5 dias. O julgamento será longo, trata-se de mais de 5.000 páginas no processo.
Alexandre e Ana Carolina Jatobá chegaram em carros separados ao Fórum, vindos do presídio de Tremenbé, onde estavam em presídios separados, mas na mesma cidade.
Em volta ao Fórum de Santana, Zona Norte de São Paulo, há uma grande comoção, pessoas que querem acompanhar o caso, com fotos de Isabela e cartazes pedindo que justiça seja feita, há também muitos jornalistas e carros de reportagens das televisões, um forte esquema de segurança foi montado pela Polícia Militar, as 14:44 hs estão 30 policiais fazendo a segurança.
Por volta das 11h15m, a chegada de Ana Carolina Oliveira, acompanhada pela Assistente de acusação Cristina e do pai José Arcanjo,  foi marcada por bastante movimentação, ela entrou pelo estacionamento ao lado do Fórum sem dar declarações e subiu para o terceiro andar, onde as testemunhas ficarão até a hora do julgamento. Dentro do Fórum próximo do portão principal há uma fila, entrarão de 10 em 10 pessoas, são convidados, advogados e familiares das vítimas e dos acusados.
O promotor do caso Francisco Cembranelli acredita na culpa do casal. Segundo denuncia do Ministério Público, antes de ser jogada pela janela Isabela foi agredida pela madrasta. O casal Nardoni nega ter cometido o crime e alega que ele foi cometido por uma terceira pessoa que teria invadido o apartamento enquanto Alexandre deixou Isabela no quarto e voltou a garagem para pegar a mulher e os outros filhos. Há contradições em seus depoimentos durante as investigações e até agora o casal não conseguiu justificar porque essa terceira pessoa, depois de ter cometido o crime, mesmo com pressa para fugir, teria fechado a porta com chave.
Ana Carolina Oliveira namorou por 3 meses com Alexandre Nardoni, com quem teve Isabela. Isabela morava com a mãe e ficava nos fins de semana com o pai e a MAdrasta Anna Carolina Jatobá.
Isabela foi jogada do 6º andar do edifício London na Zona Norte de São Paulo.
Sete jurados compõe o Conselho de Sentença, estes foram sorteados entre as 40 pessoas convocadas. A critério próprio, defesa e acusação poderão recusar até três pessoas. Depõe no júri popular 23 testemunhas, 17 convocadas pela defesa do casal Nardoni, três compartilhadas entre os advogados e Ministério Público e três são da Assistente de Acusação. São consideradas peças-chave neste julgamento, 31 pessoas no total. Após o depoimento das testemunhas então começa os depoimentos dos réus, um sairá da sala enquanto o outro depõe.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Prefeito sanciona lei que concede isenção de ISS às atividades culturais e de lazer

Divulgação


O Prefeito Gilberto Kassab sancionou na manhã desta sexta-feita(19/03) a lei que concede Insenção de Pagamento de Impostos sobre serviços de Qualquer Natureza(ISS) às atividades de cultura e lazer.
A partir de agora ficam isentos de pagar ISS os espetáculos teatrais, de dança, balé, óperas, concertos de música erudita e recitais, shows de artistas brasileiros, espetáculos circenses nacionais bailes, desfiles (inclusive de blocos carnavalescos ou folclóricos) e exibição cinematográfica em cinemas situados fora de shopping centers.
”A lei deve servir de referência para que possamos conquistar outras vitórias na área cultural. Os artistas precisam do apoio do Poder Público para desenvolver seus trabalhos e contribuir para a construção da cidade e da formação cultural das pessoas que vivem em São Paulo”, disse Kassab.
A lei não beneficia espetáculos artísticos apresentados em boates, danceterias, casas noturnas e bares, bem como não será estendida para artistas internacionais.
O presidente da Associação de Produtores Teatrais Independentes de São Paulo (Apti), Odilon Wagner, agradeceu ao prefeito por ter concretizado uma luta que começou há 10 anos. “Há uma década lutávamos pela aprovação dessa lei, ouvimos muitas promessas e tivemos o empenho de muitas pessoas nessa causa. Agradeço a gestão por tornar um sonho antigo em realidade”, afirmou Odilon Wagner.O evento contou com a presença de artistas consagrados como a namoradinha do Brasil, Regina Duarte, Nicete Bruno, Eva Vilma, Beatriz Segall, o Kiko cantor do Grupo KLB, entre outros.

segunda-feira, 15 de março de 2010

“CASO NARDONI ” ACRIMESP PRETENDE FILMAR O JULGAMENTO

A ACRIMESP – Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo, requereu ao Juiz do 2º Tribunal do Júri, Dr. Maurício Fossen autorização para filmar o júri do casal Nardoni, que será realizado no próximo dia 22.
Segundo o Presidente da ACRIMESP, Dr. Juan Carlos Müller, o objetivo maior é difundir o júri para os alunos da escola de advocacia criminal da ACRIMESP, a Entidade afirma que a ação do Tribunal do Júri é um exemplo nobre e valioso do que se pode transmitir aos estudantes de Direito e aos advogados, já que se constitui em matéria rica em ensinamentos sobre a prática da advocacia criminal, assim como será de estimável valor e instrução para todos.

terça-feira, 9 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher é comemorado com caminhada pela Igualdade e Paz


O Dia Internacional da Mulher,08 de março, foi comemorado em Itaquera com alongamentos e "Caminhada em Busca da Igualdade e Paz".
Cerca de 600 mulheres se reuniram na Praça da Estação as 9:00 hs, no centro de Itaquera,onde receberam kits contendo camisetas, materiais informativos e preservativos para a realização da 4ª Caminhada, que comemora o centenário do Dia Internacional da Mulher.
A caminhada é organizada pelo 4º ano consecutivo pelo Centro de Cidadania da Mulher de Itaquera."Esse dia é importantíssimo para nós, estamos lutando há muito tempo, mas isso não que dizer que estamos satisfeitas, ainda tem grande desigualdade entre homens e mulheres. Temos um longo caminho pela frente, mas a luta continua!", afirma Marilene Batista dos Santos, a Tia Lena, Coordenadora do CCMI.
Participaram do evento lideranças comunitárias, grupos de melhor idade, feministas, servidoras e frequentadoras do CCMI.

quarta-feira, 3 de março de 2010

“FIM DOS TROTES VIOLENTOS ” ESTABELECIMENTOS DE ENSINOS PODERÃO SER PENALIZADOS EM ATÉ 1.000 SALÁRIOS-MÍNIMOS

A ACRIMESP – Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo, através do presidente do conselho, Dr. Ademar Gomes, encaminhou a Câmara dos Deputados projeto de Lei propondo que as Instituições de Ensino sejam co-responsavéis pelos trotes violentos praticados pelos alunos, tanto dentro ou fora do campus da Universidade.

Na proposta o estabelecimento de Ensino poderá ser penalizado em até 1.000 salários-mínimos por aluno agredido, multa esta que deverá ser repassada ao MEC – Ministério da Educação e Cultura, além de ser obrigatório ministrar no primeiro ano noções de cidadania e respeito a pessoa humana.