Traduzir

Pesquisar

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Praça do Meio do Mundo (Por: Riselda Morais)






A Paraiba é o primeiro lugar do país a ser iluminado pelo sol todos os dias, onde o sol brilha e torna o dia mais longo ao nascer na Ponta do Seixas em João Pessoa.
Bem no centro-sul do estado da Paraíba, dentro de um cenário único da região do Cariri encontrei a “Praça do Meio do Mundo”.
O lugar é instigante, a paisagem e o clima semi-árido produzem um cenário único. Rios temporários, lajedos, formações rochosas, sítios arqueológicos e a caatinga, com sua diversidade vegetal, dão um tom peculiar a região.
A Praça do Meio do Mundo foi construída na década de 80, no entroncamento em forma de “T” entre as BR-230 e BR-412, entre os municípios de Pocinhos e Boa Vista, há 25 km no sentido leste da Cidade de Campina Grande também conhecida como “Princesa da Borborema” seguindo sentido São João do Cariri.
Princesa da Borborema por causa da Serra da Borborema, uma cadeia baixa de montanhas que atravessa parte do estado da Paraíba.
Na praça tem um monumento com os “Dez Mandamentos da Lei de Deus”, outro onde havia uma estátua de Padre Cícero Romão (Padre Santo para os Nordestinos) que está decaptada, ficando o local interativo para quem visita a praça fazer foto no lugar da estátua do padre e placas com o nome da praça com uma representação do globo. Também há um imenso cacto dominando o ambiente.
O local serviu de cenário para uma passagem do filme “O Caminho das Nuvens”. O pomposo nome foi dado não casualmente quando da construção do trevo, mas na placa indicativa há uma representação do globo terrestre dando a impressão de que realmente estamos em alguma referência geográfica importante e deve-se o nome as “muralhas de pedras” da região também conhecidas como “as muralhas do meio do mundo”.
Atualmente, a praça está abandonada, precisando de reforma, mas chama atenção de quem passa por lá. Esse trecho do sertão paraibano é marcado por milhares de blocos de pedras enormes que se esparramam pelo solo. Mais que um elemento atraente na paisagem, muitas pedras são autênticas relíquias arqueológicas, com pinturas rupestres e inscrições em baixo-relevo ainda pouco estudadas. Uma das mais interessantes é a chamada Laje de Pedra: lagoas e árvores formam-se sobre o bloco de rocha, que chega a 2 quilômetros de extensão.
As pedras do Cariri fazem parte de um acidente geológico batizado de a “muralha do meio do mundo”, um muro natural de rocha que chega a ter 7 metros de altura, com trechos contínuos de 5 quilômetros, que avança pelo sertão até o Piauí. Esta região guarda sinais do princípio do planeta, de seres ancestrais que por ali viveram há cerca de 120 milhões de anos.
É neste remoto lugar, de instigante passado neolítico, entre cactos e grandiosos monumentos naturais de rochas, na bifurcação de duas BRs que cortam o Estado, que está situada a “Praça do Meio do Mundo’.